A mediana da inflação esperada pelos consumidores nos próximos 12 meses permaneceu em 7,5% em novembro, informou nesta sexta-feira a Fundação Getúlio Vargas (FGV), que divulgou o Indicador de Expectativas Inflacionárias dos Consumidores. O resultado é igual ao observado em outubro e abril deste ano e o maior desde novembro de 2005 (7,8%).

“Apesar de a mediana ter se mantido constante, o aumento das respostas na faixa de 7 % e 8%, indicam um viés de alta do indicador. Fato este preocupante, uma vez que o mesmo já se encontra em um patamar elevado”, diz o economista da FGV Pedro Costa Ferreira, em nota.

O Indicador de Expectativas Inflacionárias dos Consumidores é obtido com base em informações coletadas no âmbito da Sondagem do Consumidor. Produzidos desde setembro de 2005, os dados vinham sendo divulgados de forma acessória às análises sobre a evolução da confiança do consumidor. Desde maio de 2014, as informações passaram a ser anunciadas separadamente.

A Sondagem do Consumidor da FGV coleta mensalmente informações de mais de 2,1 mil brasileiros em sete das principais capitais do País. Cerca de 75% destes entrevistados respondem aos quesitos relacionados às expectativas de inflação.