Uma vitrine com quase 10 mil itens, entre bolachas, frios, massas, materiais de limpeza, refrigerantes e outras centenas de produtos, estará à disposição de supermercadistas entre amanhã e a próxima terça-feira (26), durante a 24.ª Feira e Convenção Paranaense de Supermercados – Mercosuper 2005. Segundo Joanir Zonta, presidente da Associação Paranaense de Supermercados (Apras) – organizadora do evento -, a expectativa é que os três dias de feira alavanquem negócios da ordem de R$ 600 milhões – crescimento de quase 30% em relação ao ano passado. O evento acontece no Expo Trade Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba, e deve reunir cerca de 28 mil pessoas.

Entre as novidades da feira este ano está um espaço específico para frutas, verduras e legumes, com padronização de embalagem e rotulagem. ?Até então, o consumidor não sabia quem era o produtor, o engenheiro agrônomo responsável, quando foi feita a pulverização, se o produto é orgânico ou não. Agora há uma garantia para o consumidor?, apontou Joanir Zonta, referindo-se a um projeto do Ministério da Agricultura em rotular frutas, verduras e legumes. ?O Paraná é pioneiro na implantação desse sistema?, destacou. O setor de queijos e vinhos e outro de bazar, voltado para utilidades domésticas, também são as novidades desta edição da Mercosuper.

?Muitos supermercadistas do interior do Paraná, Santa Catarina e até de São Paulo vêm para ver o que está acontecendo no mercado?, afirmou. Já os expositores – 160 no total, trinta a mais do que na edição passada – são de todo o País. Empresas líderes como Perdigão, Sadia, Anaconda, Todeschini, Yoki, Vinícolas Miolo, entre outras, já confirmaram presença.

Segundo Zonta, uma das expectativas este ano é que os produtos sejam apresentados ao público com desconto. ?Conseguimos, junto ao governo estadual, um prazo de 30 dias para o pagamento do ICMS pelas indústrias?, afirmou. Pela norma legal, a indústria teria que recolher o ICMS do que foi vendido em abril até o dia 10 de maio. Com a dilação do prazo, poderá recolher até junho. ?É um incentivo fiscal que deve refletir em descontos nos produtos.?

Em recuperação

Depois de 2003, quando o setor supermercadista fechou o ano ?no vermelho?, o momento agora é de recuperação. ?Este ano, o setor está num bom desempenho. Devemos fechar o ano com o aumento de faturamento real de 3%?, revelou Zonta. No ano passado, o crescimento foi de 2,57% e, em 2003, queda de 2%. O setor supermercadista faturou em 2004 R$ 100 bilhões em todo o País. Só no Paraná, onde há 2.560 supermercados, o faturamento foi de R$ 6,9 bilhões.

Para Zonta, o aumento do salário mínimo de R$ 260 para R$ 300 a partir de 1.º de maio deve ajudar no faturamento dos supermercados. ?Uma grande parte dos brasileiros ganha salário mínimo e gasta boa parte desse salário no mercado. Quando o salário aumenta, o gasto também aumenta.?

Sobre os desafios do setor, Zonta aponta a carga tributária pesada e a elevada taxa básica de juros como principais entraves para o crescimento econômico. ?Quando a gente acha que o Banco Central vai baixar os juros, ele sobe mais 0,25%. Isso prejudica muito a economia?, criticou, referindo-se à alta da Selic para 19,5% anunciada esta semana.