Brasília (AE) – Exportadores brasileiros cobram do Ministério da Agricultura agilidade na publicação de novos critérios de classificação de qualidade para a soja como forma de evitar problemas com as vendas para a China na safra 2006/07, que começa a ser embarcada a partir de fevereiro do próximo ano. ?Nós pedimos urgência ao ministério. Com a China, a regra é olho vivo para todos os embarques?, resumiu o diretor geral da Associação Nacional dos Exportadores de Cereais (Anec), Sérgio Mendes.

A afirmação é uma resposta à promessa feita por Pequim de estabelecer normas de importação que poderão limitar as vendas do Brasil. No acumulado do ano até outubro, a China foi destino de 50% das exportações brasileiras de soja. Entre janeiro e novembro, os embarques totais de grão, óleo e farelo renderam US$ 8,84 bilhões ao País. Os chineses ameaçam adotar medidas restritivas caso haja um aumento significativo de importações ou se houver uma desestabilização do mercado interno no curto prazo.

Fontes em Brasília minimizaram o assunto e o classificaram como ?apenas uma ameaça, uma questão comercial?. ?Se a China limitar o volume de soja que compra do Brasil, ela não terá de quem comprar?, afirmou uma fonte do governo, lembrando que o mercado chinês de oleaginosa é dividido entre Brasil, Argentina e Estados Unidos.

Há dois anos, Pequim suspendeu as importações brasileiras de soja alegando que sementes de soja tratadas com fungicidas tinham sido misturadas aos carregamentos de grãos verdes. O embargo causou prejuízo de US$ 760 milhões aos exportadores brasileiros, de acordo com cálculos da Anec. Desde o incidente de 2004, representantes do governo e da iniciativa privada discutem novas regras de classificação para a soja. Seriam estabelecidos dois padrões para a soja: um para o produto que não é processado e outro denominado padrão básico, ou seja, para os grãos que serão destinados para a indústria processadora.

Hoje existe um único padrão de classificação, conforme a Portaria 262 de 1983, ou seja, a soja de melhor qualidade acaba sendo misturada com grãos de qualidade inferior, informou o gerente de mercados da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), Evandro Ninaut.

De acordo com a iniciativa privada, o governo definirá que os grãos de melhor qualidade, ou seja, de tamanho ideal e com menor índice de mofo, entre outras características, não serão processados. Os grãos que ficarem de fora dessa classificação serão vendidos para as indústrias processadoras e poderão, por exemplo, virar óleo.