Com a colheita da safra de verão praticamente encerrada no Paraná, a pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) relativa ao mês de junho prevê uma colheita de 26 milhões de toneladas de grãos neste ano de 2009. Esse volume é 18% inferior à primeira projeção feita pelo órgão no início do ano que previa uma produção de 31,6 milhões de toneladas. A produção foi prejudicada principalmente pela falta de chuvas, efeito climático que penalizou toda a agricultura da região Sul do País.

A Companhia Nacional do Abastecimento (Conab), que divulga pesquisa simultânea ao IBGE, prevê uma produção no Estado de 25,23 milhões de toneladas, volume 17,3% menor que a safra anterior (07/08) quando foram colhidas 30,51 milhões de toneladas. Com a queda na produção, o Paraná deixou de ser o primeiro produtor nacional de grãos, condição assumida pelo Estado do Mato Grosso.

A redução de safra no Paraná, que vinha se destacando como o maior produtor nacional de grãos, influenciou a queda na produção brasileira. Conforme o IBGE, a produção nacional cai de 146 milhões de toneladas na safra passada (2007/08) para 135 milhões de toneladas no País em 2009, uma queda de 7,5% no volume. Segundo a Conab, a redução na safra nacional será de 6,9%, devendo atingir 134,2 milhões de toneladas. Na safra passada, segundo o órgão, foram produzidas 144,1 milhões de toneladas de grãos.

O levantamento de junho tanto do IBGE como da Conab ainda não levam em consideração as perdas provocadas pelas geadas da última semana, que só devem aparecer na pesquisa do próximo mês. No Paraná, também a segunda safra de grãos foi prejudicada pela estiagem que retornou com mais intensidade entre o final de março e início de maio. Neste período, os produtores plantam principalmente o feijão e milho da segunda safra.

Para as lavouras de inverno, que estão sendo plantadas, a expectativa fica para o plantio de trigo, que em condições normais de clima deverá ter boa produção. O IBGE projeta uma safra de 3,14 milhões de toneladas, volume 2,5% maior do que o ano passado quando foram colhidas 3 milhões de toneladas no Estado. A área plantada cresceu 7,6%, passando de 1,1 milhão de hectares no ano passado para 1,19 milhão de hectares este ano.

Apesar do clima, a produção de feijão é menor mas sua queda não foi tão acentuada. Segundo o IBGE, a produção total de feijão, considerando três safras plantadas no ano, cai 3,1% em 2009. Conforme a pesquisa de junho, deverão ser colhidas no Estado 747.455 toneladas de feijão, quando no ano passado foram colhidas 771.291 toneladas. A queda maior aconteceu na primeira safra quando o volume de produção caiu 12,4%. Na segunda safra, a produção foi beneficiada pelo retorno das chuvas e a produção deverá atingir 365.179 toneladas, volume 8,4% superior à segunda safra do ano passado que resultou em 336.787 toneladas.

Os efeitos da estiagem foram mais prejudiciais sobre as lavouras de milho. Considerando as duas safras plantadas no Estado, a previsão do IBGE é de queda de 22,7%. No ano passado a colheita das duas safras apresentou uma produção de 15,6 milhões de toneladas e este ano a projeção é de 12 milhões de toneladas. Houve queda de 34,8% no volume de produção da primeira safra e espera-se uma redução de 3% na segunda safra, somente com as perdas provocadas pela estiagem. Os técnicos da Secretaria da Agricultura e do Abastecimento estimam que a produção da segunda safra de milho será ainda mais prejudicada com a geada.

Na produção de soja, consolida-se uma redução de 19,4% no volume de produção, que caiu de 11,8 milhões de toneladas na safra 07/08 para 9,57 milhões de toneladas na safra 08/09.