As exportações podem somar US$ 10 bilhões neste mês, avalia o secretário de Comércio Exterior do Ministério de Desenvolvimento, Ivan Ramalho. ?O Brasil não está longe disso. Acho factível, sim?, disse ele. Em março, as exportações somaram US$ 9,251 bilhões, recorde histórico para o mês e o segundo maior valor já registrado em um único mês, perdendo apenas para junho de 2004 (US$ 9,328 bilhões).

No mês passado, o Ministério do Desenvolvimento elevou a meta de exportações de US$ 108 bilhões para US$ 112 bilhões. No ano passado, somaram US$ 96,475 bilhões.

No acumulado do ano, a balança comercial acumula um saldo positivo de US$ 8,319 bilhões, resultado das exportações de US$ 24,451 bilhões e importações de US$ 16,132 bilhões.

Diversificação

Segundo o secretário de Comércio Exterior, a pauta de exportações está muito mais diversificada e o Brasil já tem uma cultura voltada para o mercado externo. ?As empresas que foram para esse mercado foram para ficar?, diz Ramalho.

Para ele, o desempenho do comércio exterior brasileiro não depende só do valor do câmbio – em tese, quanto menos vale o dólar, pior para os exportadores, já que os produtos brasileiros ficam mais caros lá fora.

Segundo Ramalho, todas as categorias de produto apresentaram bom desempenho no mês passado, com exceção dos produtos básicos.

A venda de produtos manufaturados cresceu 31,9% sobre março de 2004 e a de semimanufaturados, 37,9%, segundo análise pela média diária – valor exportado por dia útil.

Para Ramalho, esse crescimento deve-se não só ao aumento do volume, mas também ao aumento de preços de produtos como laminados planos, café em grão e produtos semimanufaturados de ferro e aço.

Os produtos básicos tiveram queda de 2,8% no mês passado. Isso por conta do trigo e do minério de ferro. Para o secretário, essa queda é sazonal, no caso do trigo. Sobre o minério de ferro, Ramalho disse que os compradores ainda devem estar avaliando o reajuste de preços do produto.

A Vale do Rio Doce, uma das maiores mineradoras do mundo, elevou os preços do minério em mais de 70%. Os EUA se mantêm como o principal destino dos produtos brasileiros.

?Os Estados Unidos continuam sendo o maior mercado comprador e o principal destino do produto manufaturado brasileiro?, disse Ramalho.

Do lado das importações, o destaque ficou para a compra do exterior de bens de capital, que cresceu 26% em março. A compra desses produtos indica investimento no parque industrial brasileiro.

As importações em março somaram US$ 5,902 bilhões, um crescimento de 15,5%.