As exportações e as importações brasileiras voltaram a registrar seu melhor resultado mensal histórico no mês passado. No mês anterior, o resultado também havia sido recorde. Segundo informou hoje o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), as vendas externas somaram US$ 15,769 bilhões em outubro, alta de 18,6% em relação ao mesmo mês do ano passado. Na avaliação do vice-presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB), José Augusto de Castro, o aumento nos preços das matérias-primas (commodities) é que está impulsionado o crescimento das exportações, em meio ao processo de valorização do real.

"Neste momento o mundo inteiro continua se desenvolvendo, elevando as cotações de commodities como minério, petróleo, soja e carne, que são produtos que o Brasil exporta", explicou Castro em entrevista ao programa Agência Estado no Ar, da Rádio Eldorado. Ele salienta, porém, que as importações também foram recorde. Em outubro, foi a primeira vez as compras externas superaram a barreira dos US$ 12 bilhões, totalizando US$ 12,330 bilhões.

De acordo com o dirigente da AEB, o crescimento das importações superior ao das exportações está tendo como principal efeito a redução do superávit da balança, que entre janeiro e outubro acumula queda de 9,92%, ante o mesmo intervalo de 2006. "No ano as importações já cresceram 29,8% e as exportações 16,5%. A aceleração das importações se dá por conta da taxa de câmbio. Já as exportações, apesar da valorização das commodities, crescem em ritmo menor", afirmou.