As exportações paranaenses cresceram 28,32% em fevereiro na comparação com o mesmo mês de 2003. As vendas externas subiram de US$ 405 milhões para US$ 520 milhões. Com isso, as exportações no primeiro bimestre de 2004 alcançaram US$ 1,027 bilhão – 25,17% a mais que no início do ano passado. “O crescimento é expressivo e acontece em meses em que as vendas internacionais normalmente são baixas”, afirma o presidente da Federação das Indústrias do Estado do Paraná, Rodrigo da Rocha Loures.

Em fevereiro, as vendas de milho cresceram de US$ 14,5 milhões, em 2003, para mais de US$ 104 milhões, neste ano. As exportações de madeiras compensadas atingiram a marca de US$ 52,6 milhões, contra US$ 33,3 milhões em fevereiro passado. A venda de cortes de frango também foi alta, chegando a US$ 47,3 milhões.

Superávit

Com o saldo da balança comercial de fevereiro, o superávit das exportações do Estado sobe para US$ 520 milhões, valor 45,39% superior ao mesmo período de 2003. “O saldo entre importações e exportações em fevereiro ficou em US$ 262 milhões. No ano anterior, este valor estava em US$ 174 milhões”, informa o presidente da Fiep.

No acumulado de doze meses (março/2003-fevereiro/2004), as exportações somaram US$ 7,4 bilhões, 23,47% superiores às exportações entre março de 2002 e fevereiro de 2003, que somaram US$ 5,9 bilhões. No mesmo período, as importações atingiram US$ 3,5 bilhões, 6,80% superiores às do ano anterior, de US$ 3,3 bilhões.

Com esse resultado, o saldo acumulado em doze meses (250 dias úteis) sobe para US$ 3.827 milhões, 44,25% superior ao resultado alcançado em igual período anterior de doze meses (US$ 2.653 milhões).

 

 

 

 

 

Grupo Lowe assume a Loducca no Paraná

A agência de propaganda Loducca Sul foi totalmente incorporada pelo grupo Lowe e passa a se chamar Lowe Sul. A Lowe adquiriu os 51% das ações que pertenciam à Loducca, assumindo o total controle acionário da empresa paranaense. O publicitário Mário D?Andrea continua diretor-geral e de criação. A Loducca continua existindo em São Paulo.

“A agência será a mesma, mas com nova musculatura”, diz D?Andrea. Permanecem os 54 funcionários e os clientes que tinha em carteira, como HSBC, Unimed Curitiba, Bergerson Joalheiros e Presentes, ParkShopping Barigüi, 96 FM, SPVS, entre outros. “Vamos oferecer, de fato, aos nossos clientes um grande diferencial em termos de ferramentas de comunicação e tecnologia”, acrescenta.

O montante envolvido na operação não é divulgado pelas empresas. “O faturamento também não pode ser divulgado”, explica D?Andrea. Ele só acentua que o crescimento da agência “tem sido consistente”, sem, no entanto, divulgar qualquer percentual.

Quanto ao mercado publicitário como um todo, acrescenta que o setor trabalha com um crescimento neste ano de 5% a 10%. “Porém, no ano passado, também pensávamos nesse percentual e o ano acabou estagnado”, continua D?Andrea. A perspectiva de crescimento se deve, entre outros fatores, ao fato de o governo do Estado voltar a anunciar.

A Lowe Sul está enquadrada entre as três maiores agências do Paraná. “A meta é ser uma das maiores (ou melhor) do Sul do País, acentua D?Andrea. O mercado publicitário paranaense se situa entre os cinco maiores – disputa com o Rio Grande do Sul. Os três primeiros são São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais.