Mais segurança para a população e mais vigilância sobre os animais é o esperado, este ano, da 46.ª Exposição Agropecuária e Industrial de Londrina. A verificação em relação à segurança dos visitantes é feita pelo Ministério Público do Paraná. A vigilância sanitária fica por conta da Secretaria de Estado da Agricultura e Abastecimento (Seab) que, desde a última segunda-feira, já recepciona os mais de nove mil animais inscritos, no Parque Ney Braga.

A exposição começa amanhã e vai até o próximo dia 16. Além de atrativos para pecuaristas e agricultores, o evento atrai multidão de pessoas em busca de diversão e entretenimento. Para garantir a segurança dos visitantes, na última semana, a Promotoria de Defesa do Consumidor de Londrina elaborou um termo de ajustamento de conduta entre Corpo de Bombeiros, Polícia Militar, Procon e o organizador do evento, a Sociedade Rural do Paraná. ?Existe um recinto de shows que todo o ano é muito procurado e concorrido. No entanto, há uma limitação. Até hoje, nenhum acidente grave aconteceu, mas todos os anos há o problema de superlotação de público nos shows. No ano passado, já houve um princípio de tumulto?, explica o promotor de Justiça, Miguel Sogaiar.

De acordo com o promotor, a Sociedade Rural se comprometeu a tomar algumas medidas como a instalação de placas identificando as saídas de emergência; aumento das áreas de escape; retirada das cercas que prejudicavam no caso de evacuação; aumento no número de profissionais de segurança; construção de mirantes no recinto; fechamento dos portões quando a capacidade do local for alcançada; e instalação de telões para os que ficarem de fora. ?A notícia que tivemos é que muitas dessas medidas já foram tomadas e as obras realizadas, pois a feira começa quinta-feira. No entanto, hoje vamos fazer uma vistoria no local?, alerta Sogaiar.

Animais

Devido à lamentável situação da febre aftosa no Estado, a atenção sobre a segurança sanitária da exposição também está maior e os números menores. Em 2004, o número de animais expostos era de 11.838. Em 2005, o número caiu para 10.179, mas este ano está ainda menor, cerca de nove mil. O número de leilões também foi reduzido. Nos dois anos anteriores foram 36, este ano são vinte até hoje confirmados.

A primeira medida de segurança adotada, em março, foi a proibição da entrada de animais vindos das regiões do Estado com barreiras sanitárias. Além disso, os organizadores procuram tranquilizar no sentido de que não há risco, nem prejuízo para os que levarem animais, ?porque Londrina está distante dessas regiões?, como alega nota da Sociedade Rural do Paraná.