O presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), negou nesta terça-feira, 15, ter defendido um déficit maior na meta fiscal de 2017 em reunião no Planalto. Segundo ele, é “conversa fiada” atribuir a previsão maior do rombo no Orçamento à classe política.

“Não bota na conta da política, porque é mentira. Quem me entregou um papel com o valor foi a área econômica”, afirmou Eunício a jornalistas. “É conversa fiada isso de que a classe política queria um rombo maior”, disse.

O presidente do Senado participou, na semana passada, do encontro no Palácio do Planalto em que ministros discutiram aumentar o déficit previsto neste ano de R$ 139 bilhões para R$ 159 bilhões. Segundo participantes do encontro, uma disputa entre a ala política do governo, que defendia um déficit maior (R$ 170 bilhões), e a equipe econômica levou ao adiamento da definição da nova previsão oficial para o rombo nas contas públicas.

O anúncio da nova meta será feito oficialmente nesta quarta-feira, 16, pelo Ministério da Fazenda. Eunício disse que, na ocasião, disse ter defendido o adiamento do anúncio para que a área econômica detalhasse a necessidade do aumento do déficit.

Ele disse que há a previsão de convocar uma sessão do Congresso na semana que vem, mas evitou adiantar se poderá colocar a nova meta fiscal em votação.