São Paulo – O Departamento de Agricultura dos EUA (USDA) voltou a mexer com os mercados de grãos, soja e algodão ao divulgar seu mais novo relatório mensal de oferta e demanda com estimativas para as safras 2003/2004 dos EUA e do mundo. Os preços futuros da soja e do algodão dispararam e marcaram novas máximas, enquanto o milho e o trigo tiveram uma reação negativa ao relatório. O clima seco e quente na maior parte dos meses de julho e agosto no hemisfério norte levou o USDA a cortar a estimativa da safra de soja 2003/2004 dos EUA para 71,93 milhões de toneladas, contra as 77,89 milhões de toneladas do relatório de agosto.

Na Chicago Board of Trade (CBOT), o contrato da soja com vencimento em novembro chegou a bater em US$ 6,300 por bushel com uma “explosão” de compras especulativas, mas perdeu parte dos ganhos e fechou a US$ 6,1575 por bushel, com alta de 19,25 cents, seguindo vendas de produtores nas altas. “Os produtores estão aproveitando para vender em novembro e em janeiro aqui nos EUA e os brasileiros em maio e em julho”, disse Scoville.

Milho

Ao contrário da soja, o USDA foi mais conservador e reduziu a safra de milho 2003/2004 dos EUA para 252,64 milhões de toneladas, das 255,65 milhões de toneladas projetadas em agosto. Apesar do corte, o número ficou acima da média de estimativas de analistas de uma safra de 248,98 milhões de toneladas e ainda representa a segunda maior produção de milho já registrada nos EUA.

Trigo

Para o trigo, o relatório do USDA foi considerado neutro, à medida que o governo manteve suas estimativas para a safra dos EUA em 62,37 milhões de toneladas em 2003/2004. Os maiores ajustes foram feitos na safra mundial. O USDA reduziu as estimativas de estoques finais mundiais, por exemplo, em 1,5 milhão de toneladas, para 129 milhões de toneladas. A safra australiana, como era esperado, foi elevada em 1 milhão de toneladas para 24 milhões de toneladas, seguindo a melhora do clima naquele país. Por outro lado, as safras da União Européia, Argentina e Canadá sofreram novos cortes para 21,95 milhões de toneladas, 13,50 milhões de toneladas e 21 milhões de toneladas, respectivamente.