Encontro de secretários com o governador.

O governo do Estado vai lançar um programa de apoio ao empreendedorismo nos municípios, para estimular a geração de empregos. Inicialmente será lançado em 18 municípios com mais de 20 mil habitantes e maior estrutura urbana, localizados próximos aos municípios de Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) mais baixo. Se as metas de geração de empregos forem alcançadas, será expandido no ano que vem.

O programa foi apresentado ao governador Roberto Requião ontem pelos secretários Eleonora Fruet, do Planejamento; Renato Adur, do Desenvolvimento Urbano; Milton Buabssi, de Relações com a Comunidade, e Luiz Guilherme Mussi, da Indústria e Comércio. O programa será coordenado pela Secretaria do Planejamento, mas vai envolver as secretarias do Emprego, Relações do Trabalho e Promoção Social, do Desenvolvimento Urbano, Indústria e Comércio e Relações com a Comunidade.

Requião aprovou a implementação do programa, que deverá começar até o final de julho. O governador pediu uma estrutura enxuta na condução do projeto e se comprometeu a liberar recursos da Agência de Fomento, para alavancar os financiamentos iniciais.

A previsão é estender o programa para 120 municípios em 2004 e 261 municípios em 2005. Os empreendimentos terão em média, cerca de R$ 1.540,00 em investimentos do poder público e o empreendedor também deverá entrar com a contrapartida, que pode ser financiada num dos órgãos de microcrédito que serão parceiros dos governos do Estado e das prefeituras interessadas em aderir ao programa.

Recursos

Para este ano, o governo do Estado pode liberar até R$ 855 mil em recursos da agência de Fomento. Para o ano que vem está prevista a liberação de cerca de R$ 2 milhões. Esses recursos podem garantir a criação de cerca de 6.225 empresas nos dois primeiros anos de funcionamento do programa.

O programa de apoio à geração de empregos, através do estímulo ao empreendedorismo teve como base um trabalho já executado pela prefeitura de Guarapuava, quando foram criadas 625 empresas no município que geraram, em médio 3,5 postos de trabalho por empresa.

No programa estadual, os candidatos a empreendedores terão apoio para gestão do negócio, treinamentos e capacitação e também acesso a pesquisas mercadológicas que vão indicar se o empreendimento é viável ou não. Para isso, o programa vai contar com a parceria do Sebrae, que já tem forte experiência em treinamento, capacitação e gestão de negócios. Outros parceiros como universidades estaduais, instituições de pesquisas e o Banco Mundial devem ser incorporados no apoio ao projeto.

Para financiar os projetos, o empreendedor poderá recorrer ao Banco Social, cujo limite de empréstimo vai de R$ 300,00 a R$ 5.000,00. Mas outros instrumentos de crédito como o BNDES, sistema cooperativo de crédito e Caixa Econômica Federal poderão ser acionados para apoiar o empreendimento.