Foto: Arquivo

Safra de milho prejudicada.

A falta de chuva no Paraná já causa perda de produção do milho safrinha, segundo pesquisadores do Instituto Agronômico do Paraná (Iapar), autarquia vinculada à Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento. ?Agora o milho está em fase de espigamento e a falta de chuva nessa época compromete a produtividade?, diz o pesquisador Rogério Faria. Segundo ele, cerca de 30% das lavouras de milho safrinha no Estado estão na fase de espigamento.

A falta d?água está entre 50 e 60 mm na região de Londrina, Norte Pioneiro e na Região Metropolitana de Curitiba, e de 40 a 50 mm na área que vai de Maringá a Joaquim Távora, passando por Telêmaco Borba. Na região que vai do sul ao norte do Estado, passando por Ponta Grossa, o déficit hídrico é menor, de 30mm, mas mesmo assim é preocupante.

De acordo com o pesquisador Paulo Caramori, outro problema da falta d?água é o atraso no plantio do trigo no norte do Estado. ?É preciso ter no mínimo 75% de água disponível no solo para realizar o plantio. Hoje, apenas a região sudoeste e parte da oeste estão nessas condições, mas a época de plantio do trigo nessas localidades ainda não começou?, afirma.

Os pesquisadores lembram que o período de plantio do trigo no norte do Paraná vai de 11 de março a 10 de maio. ?Se plantar depois disso, a cultura vai ficar muito suscetível à falta de chuva em julho e agosto, meses em que historicamente chove pouco, e ao ataque de doenças que acontecem por conta da temperatura elevada?, alerta Faria.

Segundo dados do Sistema Meteorológico do Paraná (Simepar), há dois anos que as chuvas nos meses de março e abril ficam abaixo da média histórica, mas isso não indica mudanças permanentes, de acordo com Caramori. ?Quando se fala em mudanças climáticas não dá para ter um parâmetro em apenas dois anos. Essa falta de chuva no final de verão e começo de outono pode até ser uma tendência, mas ainda não é possível afirmar com certeza?, afirma.