São Paulo – O governador do estado norte-americano da Flórida, Charlie Crist, afirmou nesta segunda-feira (5) que trabalhará politicamente para que os Estados Unidos reduzam as tarifas de importação do etanol brasileiro. Ele fez a afirmação após visitar, com uma comitiva de cem empresários norte-americanos, a sede da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) para tratar das relações comerciais entre o Brasil e os Estados Unidos.

Para Crist, o evento serviu para estreitar o relacionamento entre líderes e empresários dos dois países. ?Brasil e Flórida são grandes parceiros comerciais. Seus negócios envolvem cerca de US$ 11 bilhões por ano. É importante que caminhemos juntos?, disse.

De acordo com a Câmara de Comércio Brasil?Flórida Central, produtos médicos, farmacêuticos, agrícolas, de informática e de aviação estão entre as mercadorias mais negociadas.

Diretor de relações internacionais da Fiesp, Roberto Giannetti da Fonseca disse que as tarifas de importação cobradas pelos Estados Unidos freiam as exportações de álcool brasileiras para o mercado norte-americano. ?O problema está relacionado à tarifa de US$ 0,54 por galão de álcool [3,8 litros]. Se a tarifa não existisse, certamente o Brasil poderia exportar alguns bilhões de litros de álcool a mais para a Flórida?, constatou.

O presidente da União da Indústria da Cana-de-Açúcar (Unica), Marcos Sawaya Jank, afirmou que a Flórida consome cerca 36 bilhões de litros de gasolina por ano ? mais que todo o Brasil no mesmo período. Segundo ele, caso a Flórida substituísse 10% da gasolina que consome por álcool, seriam cerca de 4 bilhões de litros de etanol que poderiam ser exportados pelo Brasil: ?Isso seria uma oportunidade de ouro. No ano passado, o Brasil exportou 3 bilhões de litros de álcool para o mundo inteiro; 1,5 bilhão para os EUA?.

Para Gianneti, a postura do governador da Flórida pode influenciar mudanças nessa tributação. ?A decisão é do governo federal norte-americano, mas ele certamente é influenciado por líderes políticos importantes, como Charlie Crist?, afirmou.