O Paraná foi o Estado brasileiro que mais comercializou colheitadeiras no ano passado. Além disso, ficou em terceiro lugar no volume de negócios com tratores de rodas. A informação é da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea).

A agrônoma Margorete Demarchi, da Secretaria Estadual da Agricultura e do Abastecimento, que acompanha o setor, diz que o desempenho agrícola do Paraná e as facilidades para financiar a aquisição de novas máquinas explicam o resultado. “Com esse cenário favorável, os produtores estão se sentindo estimulados a renovar a frota de máquinas agrícolas”.

Em 2001, foram vendidas 1.121 colheitadeiras – 29% a mais que no ano anterior, quando o Paraná já era líder na comercialização desse tipo de equipamento. Também foram vendidos 3.964 tratores de rodas. Isso significa 41% a mais que as 2.808 unidades comercializadas no ano anterior.

O Brasil mantém uma frota de 450 mil tratores e 100 mil colheitadeiras. Desse total, são utilizados na agricultura paranaense 68 mil tratores de rodas (uma máquina para cada 100 hectares) e 16 mil colheitadeiras (uma para cada 300 hectares).

Desempenho

O Paraná é o líder brasileiro na produção de milho e ocupa o segundo lugar na produção de soja, as duas culturas que mais demandam esse tipo de equipamento. Esse grãos estão alcançando preços de mercado em torno de R$ 12,70/tonelada e R$ 23,00/tonelada respectivamente.

De acordo com a Secretaria da Agricultura, estão sendo produzidos nesta safra entre 2 milhões e 2,3 milhões de toneladas de milho e 9,5 milhões de toneladas de soja. O valor estimado dessa produção gira em torno de R$ 5,47 bilhões (R$3,56 bilhões para a soja e R$ 1,91 bilhão para o milho).