Desde a semana passada, está disponível nas TVs conectadas da Samsung um aplicativo do jornal O Estado de S. Paulo. Ao instalá-lo, o espectador passa a ter, numa barra horizontal (também chamada de “ticker”), manchetes atualizadas do portal ‘Estadão.com.br’. Essa barra horizontal pode ficar na parte de cima ou de baixo da tela, segundo a preferência do usuário. Ao selecionar uma manchete de seu interesse, o texto da notícia se abre sobre o vídeo a que estiver assistindo.

O Estado é o primeiro jornal brasileiro a ter um “ticker” de notícias em TVs conectadas à internet. O espectador usa as setas do controle remoto para navegar pelas notícias e pode definir a transparência da tela de fundo do texto. Os aparelhos conectados à internet são das uma principais tendências surgidas nos últimos anos no mercado de televisores.

“As TVs precisam oferecer o conteúdo de qualidade que o público busca, e nosso conteúdo tem de estar disponível ao leitor em qualquer momento de sua vida”, afirma Claudia Belfort, editora-chefe de plataformas digitais do Grupo Estado.

Segundo a empresa de pesquisas GfK, as TVs conectadas foram 21% dos aparelhos vendidos no Brasil em 2012, comparadas a 20% no ano anterior. Em faturamento, responderam por 31% do mercado total, frente a 30% em 2011. Os dados não incluem as TVs de tubo, que representaram somente 0,2% do mercado de televisores em 2012.

“A TV conectada cresceu tanto quanto o mercado”, diz Gisela Pougy, diretora da GfK. “Está relativamente estável.” A tecnologia registrou um avanço maior nas regiões emergentes (Nordeste, Norte e Centro-Oeste). A participação do Nordeste nas vendas de TVs conectadas passou de 6% em 2011 para 12% no ano passado. Norte e Centro-Oeste viram sua participação crescer de 7% para 12%. A GfK não divulga números absolutos, somente porcentuais sobre o mercado. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.