Trabalhadores paranaenses com os ensinos médio e superior completos admitidos entre janeiro e junho de 2005 registraram um aumento de 3,2% e 3,9% na média salarial, se comparada ao mesmo período do ano passado. É o que indica um estudo realizado pela Secretaria do Trabalho, Emprego e Promoção Social com base nos dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho sobre a evolução do salário médio em relação à escolaridade dos empregados com carteira assinada.

Os colocados com ensino médio completo no primeiro semestre de 2004 obtiveram salário médio de R$ 472,63. Já em 2005, o rendimento subiu para R$ 487, 69, representando um acréscimo de 3,2% no poder de compra.

Aqueles que ingressaram com o superior completo nos seis primeiros meses do ano passado tiveram salário médio de R$ 1.170,67. No mesmo período deste ano, o rendimento subiu para R$ 1.216,80, apresentando um crescimento de 3,9% no poder aquisitivo.

Na Região Metropolitana de Curitiba o quadro se repetiu. Empregados com Ensino Médio completo registraram aumento de 3,9% no salário médio e os com ensino superior completo um crescimento de 5,3%.

Em contrapartida, os trabalhadores com oitava série incompleta e completa tiveram os maiores aumentos na média salarial brasileira: 1,5% e 1,3%. No geral, os acréscimos na média salarial ficaram em 2,3% no País, 3,9% no Paraná e 3,5% na RMC. ?Esse estudo ressalta a importância dos trabalhadores completarem pelo menos o segundo grau. A tendência é que o mercado formal de trabalho reduza a inserção daqueles com baixa escolaridade?, diz o secretário Padre Roque Zimmermann.

Para a pesquisa, o rendimento médio dos trabalhadores colocados no mercado formal no primeiro semestre de 2004 foi atualizado pelo Índice de Preços ao Consumidor (IPC) da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (FIPE), vinculado à Universidade de São Paulo (USP). O índice IPC-FIPE no acumulado de julho de 2004 a junho de 2005 alcançou 6,51%.