Brasília – O número de trabalhadores com carteira assinada cresceu pelo nono mês consecutivo em setembro. Segundo os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados do Ministério do Trabalho (Caged), no mês passado foram criados 199.742 novos postos com carteira assinada, o melhor resultado para o mês de setembro de toda a série histórica, iniciada em 1992. No acumulado do ano, já foram criados 1.666.188 postos no mercado formal, quase o dobro do registrado no mesmo período do ano passado, quando foram criados 839.677 postos.

O setor que mais contribuiu para o resultado de setembro foi a indústria de transformação, que contratou 101.100 trabalhadores em setembro, com destaque para a indústria de alimentos e bebidas. O comércio foi responsável pela abertura de 45.181 postos em setembro e o setor de serviços, por 58.859. Devido à entressafra, a agricultura fechou quase 15 mil postos.

Também pela primeira vez no ano, o Caged mostra que a criação de empregos formais foi maior nas regiões metropolitanas do que nas outras regiões. No conjunto das principais regiões metropolitanas, houve uma elevação de 0,7% no nível de emprego em setembro, enquanto nas demais regiões a taxa de crescimento do emprego formal foi de 0,62%.

Com base nestes dados, o ministro do Trabalho, Ricardo Berzoini, informou que o ministério reavaliou a meta de emprego para este ano, que deverá fechar em torno de 1,8 milhão de novos empregados com carteira assinada. Até a metade do ano, o ministério trabalhava com a meta de geração de 1,3 milhão de empregos.

Paraná

No Paraná, foram criados 12.946 empregos com carteira assinada em setembro, elevando para 138.209 o saldo de empregos formais nos nove primeiros meses do ano. De acordo com o levantamento, baseado no Cadastro Geral dos Empregados e Desempregados (Caged), o Paraná se mantém como um dos três estados que mais geram empregos no País, juntamente com São Paulo e Minas Gerais.