O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo – 15 (IPCA-15) de fevereiro deve vir pressionado por itens relacionados à educação, por passagens aéreas e pelo custo com empregados domésticos, prevê o superintendente adjunto de inflação da Fundação Getulio Vargas (FGV), Salomão Quadros. A prévia da inflação oficial será divulgada nesta sexta, 21, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O efeito sazonal da educação já é esperado, segundo Quadros, devido ao período de matrículas. Esses aumentos ainda não foram captados no IPCA fechado de janeiro, destacou o superintendente.

Outro destaque deve ser as passagens aéreas. “A minha expectativa é como o índice vai retratar (as passagens). Tenho a impressão de que a taxa será positiva, mas quero saber com que intensidade”, disse Quadros. Segundo ele, a proximidade com o carnaval pode determinar uma forte aceleração das passagens, que recuaram 16,32% no IPCA-15 de janeiro, pois o IBGE capta os preços de bilhetes para embarque dali 30 dias.

Além disso, o superintendente afirmou que esse dado será importante para calibrar as expectativas do IPCA fechado deste mês, já que esse item pouco muda de comportamento entre a prévia e o resultado final. No IPCA de janeiro, as passagens tiveram queda de 15,88%, sendo uma importante contribuição para a desaceleração da taxa ao lado da alimentação.

Por fim, Quadros avalia que o aumento do custo com empregados domésticos pode ser um fator a mais para impulsionar o IPCA-15. A alta se dá na esteira do reajuste do salário mínimo, que passou de R$ 678 para R$ 724 no primeiro dia de 2014.