A economia da Espanha expandiu a uma taxa de 0,8% no segundo trimestre deste ano, mesmo ritmo registrado nos primeiros três meses, o que desafia preocupações de que o impasse político no país, agora no seu nono mês, pudesse tirar dos trilhos sua recuperação.

Os pilares da retomada espanhola, no entanto, estão mostrando sinais de exaustão, e economistas acreditam que o crescimento deve desacelerar em 2017, em parte por causa da instabilidade política, que coloca um freio sobre os investimentos.

Ainda assim, o Produto Interno Bruto (PIB) do país cresceu mais do que os 0,7% estimados pelo governo local para o trimestre. No ano, a expansão deve ser de cerca de 3,0%, superando as projeções do Fundo Monetário Internacional (FMI) para a França, a Alemanha e o Reino Unido.

A eleição de dois Parlamentos profundamente fragmentados levou a Espanha a viver um período sem governo desde dezembro. Mariano Rajoy, o líder conservador eleito em 2011, permanece no poder como ministro em exercício, mas não tem poder para propor leis ou novos projetos.

Apesar disso, os espanhóis estão gastando mais este ano que o passado, beneficiados pelo crescimento do emprego e dos salários. A queda dos preços do petróleo também tem jogado um papel nesse sentido, bem como as taxas ultra baixas de juros, que derrubaram os juros das hipotecas na Espanha. Fonte: Dow Jones Newswires.