O longo período de dólar barato ameaça de forma mais concreta o desempenho exportador do Brasil, segundo estudo da Confederação Nacional da Indústria (CNI). Uma pesquisa feita com 1.502 empresas mostrou que a maioria quer crescer em 2008 e atribui essa possibilidade de crescimento às vendas no mercado interno brasileiro. É grande o pessimismo quanto às exportações, principalmente entre pequenas e médias indústrias, que enfrentam maior dificuldade para se adaptar a um cenário de valorização do real.

O dólar na casa de R$ 1,70 preocupa os empresários e redobra as preocupações do governo quanto ao desempenho das exportações e à entrada de produtos importados, revelou à reportagem do jornal O Estado de S. Paulo um integrante da equipe econômica do governo Luiz Inácio Lula da Silva. O tema está em estudo no Ministério da Fazenda, mas até o momento não há consenso sobre o que fazer. O diagnóstico sobre a queda do dólar tem como um dos principais fatores o significativo ingresso de capitais estrangeiros no País.

Apesar da valorização do real, os dados da balança comercial divulgados na semana passada indicam uma boa performance do comércio exterior brasileiro. No entanto, as importações têm crescido muito mais que as exportações nos últimos meses. Por enquanto, os preços favoráveis para produtos como as commodities têm sustentando o aumento das exportações