Brasília (AE e ABr) – O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) divulgou ontem a ocorrência de doença de Newcastle em um pato numa propriedade localizada próximo ao parque industrial de Manaus (AM). O caso foi identificado durante atividades de monitoramento para influenza aviária e doença de Newcastle em propriedades com populações avícolas de subsistência, localizadas num raio de 10 km ao redor de sítios de invernada de aves migratórias.

Segundo nota técnica divulgada pelo Departamento de Saúde Animal (DSA), no dia 21 de junho foram colhidas amostras de soro e suabe de nove patos e seis galinhas numa dessas propriedades e, no dia 5 de julho, o material foi enviado ao Laboratório Nacional Agropecuário de São Paulo (Lanagro-SP). No momento da colheita do material as aves não apresentavam sinais clínicos da doença.

No dia 7 de agosto o laboratório confirmou o isolamento viral em amostra colhida em um pato. Em seqüência, foi determinado o índice de patogenicidade intracerebral (IPIC) de 1,88. A Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) considera doença de Newcastle quando o IPIC encontrado nas amostras é igual ou superior a 0,70.

Após a confirmação laboratorial, todas as medidas previstas no plano nacional de contingência foram adotadas, incluindo ações de restrição de trânsito de animais e produtos de risco. A última movimentação de aves ocorreu no dia 11 de julho. Todas as aves da propriedade foram sacrificadas anteontem (14).

As atividades de monitoramento das rotas das aves migratórias estão previstas no plano nacional de prevenção à Influenza Aviária e à doença de Newcastle. Nos meses de maio e junho, o Mapa, com apoio da Comissão Executiva de Defesa Sanitária Animal e Vegetal do Estado do Amazonas (Codesav), visitou todas as propriedades localizadas em um raio de 10 km ao redor do sítio de aves migratórias localizadas próximo à área urbana e ao pólo industrial de Manaus.

Segundo a nota técnica da DSA, os trabalhos de vigilância estão sendo realizados pelo serviço oficial e, até o momento, não há outras suspeitas da presença de sinais clínicos compatíveis com a doença de Newcastle nas propriedades sob vigilância.

A nota técnica destaca que apesar de o estado do Amazonas não possuir expressiva atividade avícola comercial, o interesse do estudo de vigilância nessa área se deve a sua posição geográfica estratégica nas rotas de migração.

O foco detectado em Manaus fica 3.050 km distante da propriedade onde ocorreu foco da mesma doença no estado do Rio Grande do Sul. As investigações epidemiológicas realizadas, diz a nota do DSA, permitem descartar vínculo epidemiológico com o episódio ocorrido no município de Vale Real, no Rio Grande do Sul.