A taxa de desemprego apurada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nas seis principais regiões metropolitanas do País subiu para 7,6% em março, ante taxa de 7,4% em fevereiro. Apesar da alta em relação a fevereiro, essa é a menor taxa de desemprego apurada para meses de março na série histórica do IBGE, iniciada em 2002. O rendimento médio real dos trabalhadores registrou variações positivas de 0,4% em março ante fevereiro e de 1,5% na comparação com março de 2009.

A massa de rendimento real habitual dos trabalhadores das seis principais regiões metropolitanas do País somou R$ 31 bilhões em março, com alta de 0,6% ante fevereiro e aumento de 5,2% na comparação com março de 2009, segundo o IBGE. Já a massa de rendimento real efetivo somou R$ 30,7 bilhões em fevereiro – esse indicador sempre se refere ao mês anterior ao da pesquisa mensal de emprego divulgada -, com variação de 0,4% ante janeiro e aumento de 6,3% na comparação com fevereiro de 2009.