O BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) emprestou 73% a mais nos primeiros quatros meses deste ano em relação ao mesmo período do ano passado. Os desembolsos somaram R$ 11 bilhões de janeiro a abril de 2004.

Segundo o banco, o aumento se deve às modificações adotadas na gestão do presidente da instituição, Carlos Lessa, que tornaram mais rápidos os procedimentos de enquadramento, aprovação e liberação dos financiamentos.

O BNDES tem um orçamento de R$ 47,3 bilhões para este ano. Ou seja, o banco ainda tem R$ 36,3 bilhões para emprestar nos últimos oito meses deste ano.

O crescimento dos empréstimos liberados voltados às exportações e à indústria foram os que mais contribuíram para a expansão do desembolso. A indústria ficou com a maior parte do total liberado, o correspondente a R$ 5,5 bilhões.

O setor de material de transporte (montadoras, trens, ferrovias e aviões) foi o que mais recebeu no segmento industrial, com R$ 2,6 bilhões, com alta de 118% no primeiro quadrimestre do ano em relação a igual período de 2003.

O setor de infra-estrutura recebeu R$ 2,4 bilhões. O crescimento, entretanto, foi menor, de 35%. A agroindústria e a construção civil receberam empréstimos de R$ 907 milhões e R$ 478 milhões, respectivamente.

As exportações também explicam o aumento dos desembolsos, que somaram US$1,5 bilhão – montante 206% acima do registrado nos primeiros quatro meses de 2003. As exportações de carros foram as que receberam mais liberações (US$ 448 milhões) com aumento de 357%.

As aprovações de financiamento, fase anterior à liberação do crédito, somaram R$ 14,6 bilhões, o que representou um crescimento de 167%.

Já os enquadramentos (pedidos de financiamento habilitados a receber apoio) cresceram 187% e atingiram R$ 17,3 bilhões. As cartas-consulta (primeira fase para pedir um financiamento no BNDES) subiram 209% e alcançaram R$ 24,3 bilhões.

Apoio às indústrias de confecção de Cianorte

O diretor-geral da Secretaria do Planejamento e Coordenação Geral (Sepl), Fábio Scatolin, e um técnico da Coordenadoria de Estudos e Projetos da secretaria participam hoje, na sede do BNDES, no Rio de Janeiro, de uma reunião para mais uma etapa da implantação do Arranjo Produtivo Local (APL) das indústrias de confecção de Cianorte, no Noroeste do Paraná.

Na última semana, uma missão do banco visitou o município para conhecer as indústrias da região e conversar com empresários do setor do vestuário. Técnicos das Secretarias do Planejamento e da Indústria, Comércio e Assuntos do Mercosul, bem como da Agência de Fomento e do Banco Regional de Desenvolvimento Econômico (BRDE), acompanharam a visita, conduzida por integrantes da Associação dos Lojistas Atacadistas de Moda de Cianorte (Asamoda).

Na reunião de hoje, além de uma apresentação com dados socioeconômicos do município, serão relatadas as demandas e os projetos do empresariado local, bem como as características que tornam a região um potencial APL. Além de técnicos do governo do Paraná, estarão representantes da Fiep, do Instituto Euvaldo Lodi (IEL), da Asamoda, do Sindicato das Indústrias do Vestuário de Cianorte, do Sicoob (Sistema de Crédito Cooperativo do Brasil), além de empresários do setor de confecção da região.