A Associação Internacional do Transporte Aéreo (Iata, na sigla em inglês) disse que a demanda por viagens aéreas internacionais caiu 7,2% em junho em comparação com igual mês do ano passado, enquanto a taxa de ocupação diminuiu 2,3 pontos porcentuais, para 75,3%. A capacidade cedeu 4,3% no mês passado e a receita proveniente de mercados internacionais caiu entre 25% e 30% em junho ante junho de 2008. “A demanda por voos internacionais continua muito fraca”, disse o diretor geral da Associação, Giovanni Bisignani. A Iata representa 230 companhias aéreas do mundo inteiro, que juntas respondem por 93% do tráfego global.

O medo da gripe suína tem atrasado a recuperação na região Ásia-Pacífico, onde as companhias registraram declínio de 14,5% do tráfego de passageiros em junho ante igual mês do ano passado. A Iata estima que a doença tenha contribuído com 4,5 pontos porcentuais para essa queda. As companhias aéreas da América do Norte registraram um declínio de 6,7% do tráfego em junho ante igual mês do ano passado. As operadoras europeias apresentaram queda de 7,1% do tráfego em junho. As empresas aéreas latino-americanas registraram queda de 4,7% da demanda de passageiros e as africanas sofreram declínio de 5,9%.

“Estes são tempos extremamente desafiadores para as empresas aéreas. Não há sinais de uma recuperação econômica breve”, disse Bisignani. Ele afirmou que o fluxo de caixa é ameaçado pela demanda fraca e pela prática de descontos exagerados nos preços das passagens, e que, depois de anos de reduções de custo, o espaço para mais cortes é limitado. As informações são da Dow Jones.