Todos os principais combustíveis estão com os preços em aceleração no varejo. A informação é do economista da Fundação Getúlio Vargas (FGV), André Braz, que anunciou nesta segunda-feira (3) o Índice de Preços ao Consumidor semanal (IPC-S) de até 30 de novembro, de 0 27%. De acordo com ele, com base na movimentação de preços, na passagem do índice de até 22 de novembro para o divulgado hoje, houve acelerações de preços em álcool combustível (de 1,60% para 4,51%); GNV (de 1,07% para 1,16%) e fim de deflação no preço da gasolina (de -0,11% para 0,34%).

O economista explicou que, atualmente, a cana-de-açúcar está em seu período de entressafra. Isso conduziu a uma redução na oferta dos derivados do item, no mercado interno – como o álcool. No caso da gasolina, Braz lembrou que esse combustível tem 25% de álcool em sua formação, ou seja: o preço da gasolina acabou subindo, acompanhando a movimentação de preço do álcool.

Já no caso do GNV, o economista lembrou que esse combustível sofreu aumento de preços, recentemente. Braz comentou que os preços mais altos dos combustíveis puxou para cima a taxa do IPC-S da última quadrissemana de novembro – que veio bem acima do apurado em quadrissemana anterior (0,09%).