Karla Losse Mendes/O Estado
Comerciantes só reforçam o estoque apenas na véspera da Semana Santa.

 

O consumo de peixes aumenta na Quaresma, período no qual os católicos são orientados a evitar o consumo de carne vermelha, principalmente nas sextas-feiras. No entanto, quem trabalha no setor já percebe que a tradição vem perdendo força aos longo dos anos e já não é preciso reforçar o estoque para as vendas do período.

É o que conta Ana Paula Alberti, da Peixaria São José. Há nove anos trabalhando no ramo, ela viu o consumo de peixes ir reduzindo na Quaresma. “O movimento sempre aumenta nessa época, mas já não é tão grande. As pessoas vão fugindo das tradições”, disse.

Paulo Mozer, proprietário da Pescados Keli Mozer, também observou uma redução no consumo. Nos 24 anos em que trabalha no setor ele percebeu uma diminuição nas vendas dessa época e diz que agora já não é preciso realizar uma compra maior para atender os clientes na Quaresma. “Apenas antes da Semana Santa que ampliamos o estoque, nestes dias chegamos a comprar dez vezes nosso pedido normal. Mas no período anterior mantemos a quantidade habitual”, explicou.

A situação se repete na peixaria Santa Clara, administrada por Sue Midzuno. Segundo ela, o movimento tem sido menor a cada ano. “Sempre tem um movimento maior que os dias normais, mas não é aquele de antigamente. Era para ser bem maior, mas o pessoal foi abrindo mão da tradição”, lamenta.

A queda na tradição parece se confirmar também nos açougues. Ademir Viebiski, do Açougue Uberaba, diz que antigamente se podia perceber a redução nas vendas na Quarta-Feira de Cinzas e nas sextas-feiras do período de Quaresma, o que já não acontece. “Não sei se é devido ao retorno do feriado, mas hoje estamos vendendo até mais do que nas quartas-feiras normais. Antigamente as pessoas respeitavam mais a Quaresma, mas hoje não é assim”.