A Copel Telecomunicações está realizando estudos sobre a disponibilização de acesso à internet através da rede elétrica, pelo uso da tecnologia PLC (Power Line Comunications) – Banda Larga. A experiência da empresa com a PLC foi apresentada ontem, pelo engenheiro elétrico Carlos Renato Fontes, durante o I Seminário Paranaense de Engenharia Elétrica (I SPEE), que se encerra hoje, em Curitiba.

Segundo Carlos, a Copel constituiu um consórcio com a empresa de energia elétrica alemã RWE, que no ano passado começou a disponibilizar a tecnologia PLC comercialmente. Entre os últimos meses de setembro e fevereiro, foram realizados testes para verificar o funcionamento da PLC e os custos de implantação. “O funcionamento foi confirmado, com apenas algumas coisas ainda a serem aprimoradas. Porém, como a tecnologia não é nacional, os custos foram considerados bastante altos, o que inviabiliza a imediata utilização”, declara.

O acesso à internet seria realizado através de um aparelho, fabricado na Suíça, que, colocado na tomada, faria a ligação entre a rede elétrica e o computador. “Hoje, em nossas casas, acessamos a internet através das fiações telefônicas. Sendo assim, se uma pessoa quer utilizar a internet no quarto e não tem extensão, precisa puxar uma”, explica o engenheiro. “Com a PLC, pode-se acessar de qualquer lugar em que haja uma tomada, sendo que a rede elétrica está presente em toda a ” casa.”

Outras vantagens consideradas são a rapidez do sistema banda larga e a possibilidade de se permitir o acesso à internet a comunidades que não dispõem de serviços de telefonia. “A energia elétrica está presente na grande maioria dos municípios paranaenses. Destes, muitos ainda não contam com serviço telefônico”, diz. “Como a PLC também permite acesso ao telefone, sendo que o aparelho ligado à tomada tem uma saída para o computador e outra para o aparelho telefônico, uma possível parceria com a Brasil Telecom ou a GVT também permitiria o acesso ao sistema telefônico às comunidades que ainda não o possuem”.

Ainda não há previsão de quando a tecnologia PLC será disponibilizada comercialmente, nem quanto isto vai custar aos consumidores. A Copel deve continuar realizando testes.