Lucimar do Carmo
Lucimar do Carmo

No acumulado do ano, o crescimento
do consumo total foi de 5,2%.

O consumo de energia elétrica no Brasil cresceu 8,2% em maio sobre o mesmo período do ano passado, informou nesta segunda-feira (23) a Empresa de Pesquisa Energética (EPE). O mercado nacional de fornecimento de energia elétrica a consumidores livres e cativos totalizou em maio 30.650 gigawatts-hora (Gwh). No acumulado do ano, o crescimento do consumo total foi de 5,2%, acima do resultado verificado nos primeiros quatro meses do ano, quando havia atingido 4,7%. Por Região, o Centro-Oeste continua com a mais elevada taxa de crescimento, 8,1% no acumulado de janeiro a maio. Nas demais Regiões, as variações ficaram entre 4,8% (Sudeste) e 5,9% (Norte).

Já o consumo industrial nacional de energia elétrica, que representa 44% do mercado de fornecimento, teve crescimento de 7 2% em relação a maio do ano passado e de 4,2% no acumulado nos cinco primeiros meses de 2007 sobre o mesmo período em 2006.

A Região Centro-Oeste registra a maior taxa acumulada de crescimento (12,2%), que reflete, em grande parte, uma base de comparação excessivamente baixa devido à crise do agronegócio que atingiu os Estados da Região, assim como uma redução no consumo de grande indústria eletrointensiva. A Região Sul, apesar de apresentar a menor taxa no acumulado (2,9%), vem revelando recuperação desde finais de 2006. Na Região Sudeste, o consumo industrial foi 7,2% maior em maio desse ano do que no mesmo mês em 2006 e 3,8% maior no acumulado do período.

Crescimento

De acordo com os dados contabilizados pela EPE, os consumidores residenciais e comerciais puxaram o crescimento do mercado, com taxas respectivamente de 6,8% e 7% no acumulado dos primeiros cinco meses de 2007. A EPE informou que o aumento da renda, as condições favoráveis de crédito, a queda dos juros e a grande oferta de produtos importados a preços reduzidos têm se constituído em fatores de estímulo ao consumo de energia nas residências e nas unidades comerciais. Com relação à renda, o crescimento médio desse indicador, entre 2004 e 2007, é de 7,7% ao ano.

Eletroeletrônicos

Em conjunto, esses fatores rebatem diretamente em outro indicador importante quando se fala em consumo residencial de energia elétrica: as vendas de eletroeletrônicos. De acordo com a Associação Nacional de Fabricantes de Produtos Eletroeletrônicos (Eletros), as vendas desses produtos aumentaram 8,6% no primeiro trimestre de 2007 em relação ao mesmo período de 2006.

O agregado das classes rural, poder público, iluminação pública e consumo próprio apresentou crescimento de 3,4% de janeiro a maio desse ano ante o mesmo período de 2006. Neste grupo, destaca-se o consumo rural, cujo consumo aumentou 4,4% no período e representou 31% do conjunto agregado.