O Índice Nacional de Confiança (INC) subiu cinco pontos, de 148 em outubro para 153 pontos em novembro, informou nesta segunda-feira, 8, a Associação Comercial de São Paulo (ACSP). Em relação a novembro de 2013, a confiança do consumidor brasileiro avançou seis pontos.

De acordo com a associação comercial, a alta de novembro pode ser explicada pelo 13º salário, um “fenômeno sazonal que anima o consumidor”, mas não pode ser extrapolada para os próximos meses, “uma vez que em dezembro os juros subiram e há perspectivas de mais altas” dos juros.

A ACSP destaca que o crescimento do índice em novembro ante outubro foi puxado pelas classes sociais C e D/E. Na C, o INC avançou oito pontos no período, para 164 pontos, enquanto na D/E, aumentou nove, para 146 pontos. Na contramão, a confiança caiu na classe AB, marcando 127 pontos, três a menos do que em outubro.

O levantamento mostra ainda que, em novembro, 33% dos entrevistados disseram que estavam à vontade para comprar um item de maior valor, como casa ou carro. Os menos à vontade também eram 33%, porcentual menor que nos meses de outubro (36%), setembro (42%) e agosto (43%).

Para o Instituto de Economia da ACSP, isso pode ser “positivo” para o setor de automóveis, pois o 13º salário poderá ser usado para dar entrada na compra de um carro. A entidade acrescenta que, em dezembro, as perspectivas para o setor também são boas, já que o provável fim da redução do IPI em janeiro de 2015 levaria à antecipação de compras.

A pesquisa, encomendada pela ACSP ao Instituto Ipsos, é baseada em entrevistas feitas entre os dias 14 e 30 de novembro em todo o Brasil. O INC é apurado desde 2005 e varia entre 0 (pessimismo máximo) e 200 pontos (otimismo máximo). De acordo com a ACSP, a margem de erro é de três pontos porcentuais.