A décima redução consecutiva da taxa básica de juros (Selic), anunciada hoje pelo Banco Central, somada à aceleração da inflação por causa da alta dos preços dos alimentos, faz com que os juros reais do Brasil caiam abaixo dos 2% ao ano.

Segundo cálculo do professor do departamento de economia da PUC-SP e diretor da Metha Consultoria, Claudemir Galvani, os juros reais caem de 2,2% (quando a Selic estava em 7,5% ao ano) para 1,95%. O BC reduziu os juros para 7,25% nesta quarta-feira (10).

Os juros reais da economia são calculados pela Selic, taxa básica de juros da economia brasileira, menos o IPCA, índice oficial da inflação do país.

Em setembro, o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), teve alta de 0,57%, uma aceleração de 0,16 ponto percentual frente ao 0,41% registrado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) em agosto. Nos últimos 12 meses, o índice acumula alta de 5,28%.

Já o novo patamar da Selic é o menor de toda a série histórica, iniciada em 1986.
A trajetória de queda teve início em agosto do ano passado, há mais de um ano, quando a economia brasileira começou a mostrar sinais de desaquecimento com a piora da crise econômica mundial.

Desde então, a Selic foi reduzida de 12,5% para os atuais 7,25% pelo Copom (Comitê de Política Monetária do Banco Central), que se reúne a cada 45 dias para definir se altera ou mantém o valor da taxa básica de juros.