Após dois anos consecutivos de redução, a taxa de inadimplência do varejo deve subir 7,5% em 2011, na perspectiva do presidente da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), Roque Pellizzaro Júnior. De acordo com a Confederação, a inadimplência recuou 1,85% em 2010 na comparação com o ano anterior. Em 2009, a taxa ficou 14,9% menor em relação a 2008.

Mesmo com a perspectiva de aumento do calote, a avaliação de Pellizzaro é a de que 2011 se encerrará com um cenário melhor do que o verificado nos primeiros meses do ano. Um ponto que deverá ajudar, segundo o presidente da CNDL, é o fato de os consumidores estarem limpando seu nome. A estimativa é a de um crescimento de 8% do número de pessoas que quitam suas dívidas em atraso e saem do cadastro do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) até dezembro. “A inadimplência deve ficar um pouco acima do ideal, mas posso dizer que já apagamos a luz amarela”, afirmou. Para as vendas, a CNDL prevê um crescimento de 6,5% em 2011 sobre o ano passado.

Pellizzaro salientou que a medição da CNDL sobre a inadimplência é diferente da apresentada pelo Banco Central. “O comércio sente antes os problemas, pega o início da cadeia. Para o BC, a inadimplência parou de crescer. Aqui, não”, comparou. Avaliar só a inadimplência seria uma notícia “horrível”, disse.