Foto: Walter Alves/O Estado

Catedral de Morretes: o Paraná precisa se vender mais.

O Paraná se lança no mercado internacional com cinco novos roteiros turísticos, que estão sendo apresentados oficialmente, durante o 2.º Salão do Turismo, evento que acontece até terça-feira, em São Paulo. Ao todo, os 27 estados brasileiros estão apresentando 396 roteiros turísticos, dos quais 87 são considerados como de padrão internacional de qualidade.

A política estadual de turismo tem como objetivo aumentar em 30% o número de visitantes estrangeiros no Estado. De acordo com a Secretaria Estadual do Turismo, no ano passado, o Paraná recebeu aproximadamente 7,3 milhões de visitantes, dos quais 1,029 milhão eram estrangeiros.

Dois dos roteiros lançados – o Iguassu – Missões e o Iguassu – Pantanal são integrados com outros estados e países. O Iguassu – Pantanal envolve duas macrorregiões, a sul a centro-oeste, representadas pelos estados do Paraná e Mato Grosso do Sul. O foco principal são os ecoturistas, pessoas que viajam ao redor do mundo em busca de belas paisagens e atividades em contato com a natureza. Uma parceria entre os governos paranaense e sul-mato-grossense, Ministério do Turismo e Sebrae, o roteiro inclui diversas possibilidades de lazer e entretenimento como trilhas, pescaria, passeios de barco, cavalgadas, folclore, gastronomia, além de atividades culturais e esportivas.

Entre os principais atrativos do roteiro estão a cidade de Bonito, na Serra da Bodoquena (MS), com suas cachoeiras, Ilha do Padre, praias de rio, cavernas, trilhas e culinária pantaneira e, do lado paranaense, o Parque das Aves, Parque Nacional do Iguaçu, as Cataratas do Iguaçu e o Lago de Itaipu, que estão entre os principais não só do Estado como do Brasil.

O secretário de Turismo de Mato Grosso do Sul, Wilson Roberto Gonçalves, acredita que o Estado deve se beneficiar muito com o roteiro integrado, já que Foz do Iguaçu é um dos destinos internacionais mais importantes do País. ?Acreditamos que vamos atrair muitos turistas já que o perfil de quem visita Foz é o mesmo que se interessaria pelo Pantanal, porque ambos são destinos de ecoturismo?, diz. Segundo ele, nos últimos anos, o Estado se estruturou para receber o turista estrangeiro, com hotéis e pousadas de bom padrão e o novo Aeroporto de Bonito, reinaugurado no fim do ano passado. Mato Grosso do Sul recebeu, em 2005, cerca de 520 mil turistas por ano, dos quais 12% eram estrangeiros. O roteiro integrado com Foz está sendo vendido por 23 operadoras locais e a expectativa é aumentar em 10% o número de turistas naquele Estado.

Segundo Deise Bezerra, coordenadora de Planejamento Turístico da Secretaria de Turismo do Paraná, a fim de atrair mais turistas ao roteiro, os governos paranaense e sul-mato-grossense estão discutindo com as companhias aéreas Trip, Ocean Air e Pantanal a possibilidade de implantar vôos diretos entre Foz do Iguaçu e Bonito.

Iguassu – Missões

Junto com o governo do Rio Grande do Sul, províncias da Argentina e departamentos do Paraguai, o Paraná se apresenta ao mercado de turismo internacional também por meio do roteiro Iguassu – Missões, lançado neste sábado no 2.º Salão do Turismo. A rota inclui nove locais tombados pela Unesco como Patrimônio da Humanidade e conta a história do índio guarani e as missões jesuíticas nos séculos XVII e XVIII. O roteiro inclui a Províncias de Misiones e de Corrientes, na Argentina; Paraná (Foz, Guaíra e Itaipulândia) e Rio Grande do Sul (Caibaté, Entre-Ijuís, Porto Xavier, Roque Gonzáles, Santo Ângelo, São Borja, São Luiz Gonzaga, São Miguel das Missões e São Nicolau), no Brasil; e Departamentos de Itapuá, de Misiones e Alto Paraná, no Paraguai.

A respeito deste roteiro, a Secretaria de Turismo do Paraná admite ainda um entrave: a dificuldade de entrada de veículos brasileiros, principalmente, na fronteira com a Argentina. ?Falta regulamentar uma política de trânsito entre o Ministério do Turismo e os outros países envolvidos – trata-se de uma questão diplomática?, diz o secretário Celso Caron. Na Região das Três Fronteiras, há um acordo em que os veículos dos três países circulam sem grandes problemas, o que se pleiteia agora é que se aumente o raio de circulação.

O roteiro Iguaçu – Missões já está sendo comercializado por operadoras de Foz do Iguaçu, entre elas a FRT e a Topic. Em breve, também estará disponível na Paraná Travel, em Curitiba, que já oferece roteiro para o Pantanal.

(A jornalista viajou a convite do Salão do Turismo – Roteiros do Brasil).

Popularização pelo Vai Brasil

A fim de fomentar o fluxo turístico dentro do País e gerar demanda na baixa temporada, o Ministério do Turismo e a Braztoa (Associação das Operadoras de Turismo) lançaram nesta sexta-feira, durante o 2.º Salão do Turismo, em São Paulo, o Vai Brasil, programa que prevê a venda de roteiros turísticos a preços 30% mais baixos do que os da baixa temporada e de 55% a 60% menores que os da alta estação. A idéia é possibilitar que pessoas com mais baixa renda viajem pelo País.

Para que seja possível oferecer preços mais baixos, os pacotes terão restrições, como número reduzido de diárias e viagem em período pré-determinado. Por meio do programa, estarão disponíveis seiscentos mil leitos em hotéis, 225.620 assentos em vôos domésticos e 1.250 veículos para locação. Cerca de mil pacotes diferentes já foram inseridos no sistema e as primeiras saídas já estão programadas para o próximo dia 19.

Venda

A comercialização dos pacotes será feita, exclusivamente, pelas agências de viagens cadastradas. Após escolher a viagem que mais lhe interessa no portal do programa -www.vaibrasil.com.br – o interessado deve enviar a solicitação para uma agência. O governo federal estuda parcerias para oferecer à população o acesso à internet em diversos estabelecimentos prestadores de serviço público.

Já aderiram ao Vai Brasil quatrocentas agências de viagens, oito companhias aéreas, setenta agências de receptivo, duas instituições financeiras, dez locadoras de automóveis e 19 operadoras de turismo.

Receita do setor deve aumentar

Os números mostram um aumento de 32% no fluxo turístico total do Estado, em relação a 2002 e 9% no volume de estrangeiros, o que, segundo a coordenadora de Planejamento Turístico, Deise Maria Fernandes Bezerra, bate as metas da Secretaria Estadual de Turismo. A receita gerada pelo setor no ano passado -US$ 1,46 bilhão – foi também superior aos US$ 899 milhões registrados em 2002. O Departamento de Estatística do órgão mostra também um aumento no tempo de permanência dos turistas no Estado – entre três e quatro dias, sendo que há quatro anos, eles não ficavam mais do que três dias no Paraná.

A intenção da Secretaria agora é aumentar o gasto per capita/dia do turista, única meta que não foi alcançada, segundo Deise Bezerra. A meta é fazer o turista, que hoje despende cerca de US$ 50 por dia, gaste US$ 70, que é a média que se gasta nos roteiros internacionais.

Para isso, Deise considera que os municípios deveriam ter uma maior oferta de lazer, entretenimento e compra, em que o turista deixe seu dinheiro no local. ?Em um parque, por exemplo, deveria ser oferecido aluguel de bicicleta, bote; seria mais uma opção de atividade para o turista e também uma forma de o visitante gastar no município?, destaca. ?Hoje quem vai a Disney World, por exemplo, sai de um brinquedo e já tem à sua frente uma loja de souvenirs com aqueles personagens?, complementa.

Para a coordenadora, é preciso aproveitar mais o turismo como uma oportunidade de negócios, por isso, o envolvimento do Sebrae como parceiro nas ações da Secretaria. (DS)