A China informou hoje que vai abolir sobretaxas que incidem sobre algumas autopeças importadas, após a Organização Mundial do Comércio (OMC) decidir no ano passado que a tarifa violava regras comerciais. Os impostos mais elevados serão eliminados a partir de 1 de setembro, informou o ministério da Indústria e Tecnologia de Informação e a Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma em comunicado conjunto divulgado em seus sites nesta sexta-feira. A ação junto à OMC havia sido movida pelos EUA, Canadá e União Europeia; a decisão foi tomada em julho de 2008 e a Organização rejeitou em dezembro um recurso da China.

De acordo com as regras de importação da China, impostos adicionais incidem sobre autopeças importadas caso elas sejam usadas em um automóvel que não atenda à exigência de pelo menos 40% de componentes fabricados no mercado local. Os impostos são mais que o dobro dos que incidem sobre autopeças para carros que cumprem esse patamar mínimo de 40%.

A China afirmou em sua defesa que os impostos eram necessários para impedir que carros fossem importados em grandes quantidades pelo país. Mas, de acordo com o analista Gerwin Ho, do Citigroup, a decisão de eliminar a sobretaxa não deve ter grande impacto, já que “apenas um pequeno porcentual de montadoras não cumpre essa exigência mínima de 40%”. As informações são da Dow Jones.