A China planeja lançar novas medidas para atrair investimento estrangeiro, comentou hoje Ning Jizhe, um vice-presidente da Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma (CNDR), em meio à desaceleração da economia e da disputa comercial ainda pendente com os Estados Unidos.

Segundo Ning, Pequim irá reduzir a chamada lista negativa, que estabelece restrições para investidores estrangeiros, e continuará fazendo aberturas experimentais nas zonas de livre comércio do país.

Ning disse também que o governo irá divulgar este ano uma relação de indústrias chinesas que acolherão investimentos estrangeiros. Investidores que direcionem seus recursos para essas indústrias poderão receber isenção tarifária na compra de equipamentos no exterior e terrenos mais baratos, explicou ele. Já os que investirem na região oeste, que é menos desenvolvida, terão direito a uma redução tributária de 15%, acrescentou.

Ning detalhou ainda que Pequim quer reduzir a burocracia para investidores estrangeiros e tratá-los de forma “justa”. Além disso, a Lei de Investimento Estrangeiro, que será submetida à aprovação de legisladores nos próximos dias, vai eliminar preocupações com supostas transferências forçadas de tecnologia e proteger melhor os interesses dos investidores, disse ele.

Acusações de que Pequim vem obrigando empresas americanas a transferir tecnologia estão no cerne das desavenças comerciais dos EUA com a China.

Ning informou ainda que a CNDR estuda lançar um plano de três anos com o objetivo de impulsionar a renda das famílias, uma vez que o consumo é hoje o principal motor da economia chinesa. Fonte: Dow Jones Newswires.