Santiago (AE-DJ) – O ministério da Agricultura do Chile autorizou ontem os embarques de carnes de Santa Catarina e do Rio Grande do Sul. O país suspendeu o embargo aos dois estados brasileiros depois que representantes chilenos do ministério da Agricultura e Pecuária vistoriaram as instalações, confirmando que a ausência de registros de focos de febre aftosa.

O Chile suspendeu as compras de carne brasileira no ano passado por causa dos casos de aftosa no Mato Grosso do Sul e Paraná, argumentando que o Brasil não teria condições de garantir o avanço da doença para outras áreas.

Em visita ao Brasil, no final de maio, o ministro das Relações Exteriores do Chile, Alejandro Foxley, havia afirmado que o país encerraria o embargo ao produto, com exceção dos dois estados em que o foco estava confirmado. As observações de Foxley foram feitas depois que o ministro das Relações Exteriores do Brasil, Celso Amorim, comparou a estrita posição chilena à leniência da União Européia (UE).

Antes do embargo, o Chile correspondia a 8% das vendas brasileiras de carne em receita e 9% em volume, de acordo com os dados do governo. A carne bovina era o segundo item mais importante na pauta de exportações para o Chile, em 2004, somando 1,5 milhão de toneladas, contra 1,2 milhão de ton. em 2003. Em 2005, as vendas começaram a recuar por conta dos problemas sanitários ficando em 57.994 toneladas, mas, ainda, o quinto item nas exportações brasileiras para o país, segundo o ministério do Comércio Exterior.