O chefe do Departamento Econômico do Banco Central (BC), Altamir Lopes, informou que o superávit primário (diferença entre receitas e despesas, excluindo o pagamento de juros) de R$ 11 647 bilhões registrado nas contas do setor público (União, governo federal, Estados, municípios e empresas estatais) em junho é recorde para o mês. Segundo ele, o resultado foi impulsionado pelo desempenho positivo das contas dos governos regionais, sobretudo dos Estados, que registraram um superávit de R$ 2,986 bilhões em junho.

Segundo Altamir, o desempenho dos Estados refletiu maiores transferências da União e também a arrecadação maior do ICMS, que é o principal imposto cobrado pelos governos estaduais. De acordo com ele, a arrecadação do ICMS no semestre foi forte "em linha com o crescimento do nível da atividade econômica".

Ele informou que o resultado das estatais federais também foi o melhor para mês de junho desde o início da série histórica do Banco Central em 1991. O chefe do Departamento Econômico avaliou ainda que com o superávit recorde e a carga menor de juros no mês, as contas do setor público apresentaram superávit nominal de R$ 677 milhões, que também é o melhor da série para o mês.

Altamir explicou que a carga de junho foi menor, em função da redução da taxa Selic, mas também porque o mês teve um número menor de dias úteis em maio e o câmbio permaneceu estável. O resultado nominal leva em consideração o pagamento de encargos da dívida do setor público.