O preço da cesta básica subiu em 10 de 17 capitais brasileiras em setembro, segundo dados divulgados hoje pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese). O maior aumento verificado no custo dos alimentos ocorreu em Florianópolis (3,57%), seguido por Porto Alegre (3,01%), Rio (2,76%) e Salvador (2,39%). A cesta básica também aumentou em São Paulo (1,86%), Curitiba (1,32%), Vitória (1,31%), Belo Horizonte (0,89%), Manaus (0,68%) e Brasília (0,44%).

Em outras sete capitais, o preço da cesta básica diminuiu em setembro. As maiores quedas ocorreram em Goiânia (-7,82%), Natal (-6,22%) e Recife (-4,23%). O custo dos alimentos recuou também em Fortaleza (-2,32%), João Pessoa (-2,32%), Aracaju (-2,12%) e Belém (-0,25%).

Segundo o Dieese, Porto Alegre apresentou a cesta básica mais cara do País em setembro, com valor de R$ 245,86. A cesta básica mais barata do mês passado foi a de Aracaju, com valor de R$ 164,50. O custo dos alimentos em São Paulo somou R$ 229,89, o que deixou a capital paulista na segunda colocação na lista das cestas básicas mais caras entre as 17 capitais.

De janeiro a setembro, o custo dos alimentos acumula queda em 15 das 17 capitais pesquisadas. Apenas as cidades de Belém e Salvador apresentam aumento de preços nos nove primeiros meses deste ano, respectivamente de 1,57% e 1,36%. Os maiores recuos no período foram verificados em Aracaju (-14,89%), Natal (-14,45%), Goiânia (-13,44%), João Pessoa (-13,25%) e Fortaleza (-12,59%).