Brasília – O novo presidente da Caixa Econômica Federal, Jorge Mattoso, disse que a instituição já está dando uma guinada na sua gestão rumo ao social e que o primeiro sinal disso é a participação do banco no programa Fome Zero. Além de entregar os cartões às famílias beneficiadas, a Caixa deverá administrar o fundo com as doações de pessoas físicas e jurídicas ao projeto. Com relação às famílias de classe média, Mattoso disse que o acesso à casa própria não se restringe exclusivamente aos bancos privados.

Uma das novidades a ser anunciada em breve, diz Mattoso, é a volta do financiamento para imóveis usados com recursos próprios. Por outro lado, não haverá descontos para incentivar mutuários inadimplentes a quitarem dívidas antigas.

– Alguém vai ter que pagar essa conta, que não pode ser jogada para as gerações futuras. Esse foi um equívoco que se cometeu no Brasil no passado, ou seja, fazer coisas com o chapéu alheio, só que o chapéu não é de qualquer um, é das gerações futuras – afirmou o presidente da Caixa.

Mattoso criticou a gestão anterior que, segundo ele, emprestou menos de R$ 300 milhões para financiar obras de saneamento básico. E defende mudanças, inclusive na Lei de Responsabilidade Fiscal:

– Precisamos resolver problemas de outras áreas, como a de saneamento. As prefeituras não obtêm créditos porque não conseguem oferecer garantias, elas estão em dificuldades financeiras, e há ainda a Lei de Responsabilidade Fiscal. Esses mecanismos também terão que ser alterados. A instituição não tem como resolver questões que estão fora de sua alçada.

Segundo Mattoso, a participação do banco no Fome Zero é uma mostra de que a atuação mais forte na área social não ficará só no discurso.