O setor de máquinas para madeira e móvel já registrou um crescimento de 10% nas vendas deste ano em função da alta do dólar. Segundo Marcello Lupária, presidente da Câmara Setorial de Máquinas para Madeira e Móvel da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq), o dólar a três reais reduziu a importação de máquinas pela indústria madeireira e moveleira. A participação do maquinário importado na linha de produção nacional, que há dois anos era de aproximadamente 30%, hoje está restrito a 5%.

“Alguns mercados regionais, como o do Rio Grande do Sul, que só trabalhava com máquinas importadas, hoje já está comprando máquinas nacionais. No geral, o setor de máquinas para a indústria moveleira cresceu mais de 30% nos últimos anos”, afirma Lupária.

Além de dificultar a importação de máquinas e equipamentos, a cotação do dólar está estimulando a exportação de móveis e madeira no Brasil. Com isso, as indústrias desse setor estão ampliando a produção, empregando mais mão-de-obra e comprando mais máquinas nacionais.”Desde o ano passado, ampliamos nossa produção e nossas vendas em 40% só para atender o mercado interno”, revela René Lampe, diretor da Máquinas Lampe, indústria de máquinas para madeira com sede em Santa Catarina. Para atender à demanda crescente, a Lampe lançou quatro novos equipamentos nos dois últimos anos.

O aquecimento desse mercado pode ser comprovado pelos negócios fechados na segunda edição da Feira Internacional de Máquinas, Equipamentos e Produtos para a Extração e Industrialização da Madeira e do Móvel (Femade 2002), que está sendo realizada no ExpoTrade, em Pinhais (PR), região metropolitana de Curitiba.

Somente nos dois primeiros dias de feira, a Giacomelli, empresa catarinense fabricante de máquinas de corte para madeira, vendeu cinco equipamentos para indústrias madeireiras e moveleiras do Paraná e São Paulo. “O mercado está muito aquecido e as vendas na Femade já superaram nossas expectativas”, afirmou Mauro Giacomelli, sócio diretor da empresa.

A Femade 2002 termina hoje (14). A feira, promovida pela Abimaq e Hannover Fairs, reúne 150 expositores, sendo 14 indústrias estrangeiras.