A Caixa Econômica Federal espera dobrar o volume de crédito para a infraestrutura em 2013, totalizando R$ 70 bilhões. A informação é do vice-presidente de Finanças, Marcio Percival. No ano passado, segundo ele, a instituição emprestou R$ 36 bilhões para este fim.

Caso o objetivo seja alcançado, a Caixa deve elevar a participação do crédito para infraestrutura de 10% para 13% na carteira do banco. “Queremos duplicar o crédito para infraestrutura em todas as linhas, incluindo empréstimo comercial, debêntures de infraestrutura e outros. Estamos confiantes no setor de infraestrutura. Os investimentos vão acontecer e devemos passar dos R$ 70 bilhões em 2013.”

Estão em análise na Caixa atualmente, segundo o executivo, R$ 45 bilhões para infraestrutura, além de R$ 5,5 bilhões do FI-FGTS, dos quais R$ 1,5 bilhão já foram desembolsados.

Percival e outros executivos da Caixa participaram nesta sexta-feira de reunião com a diretoria da Associação Brasileira da Infraestrutura e Indústrias de Base (Abdib) para discutir riscos e linhas de crédito para financiar projetos de infraestrutura, incluindo estruturas de dívida e capital.

“A parceira público-privada é o caminho para elevar financiamento para infraestrutura. Estamos focados em infraestrutura e queremos consolidar parcerias”, disse o vice-presidente da Caixa. Mais de 60 empresários de empresas e concessionárias dos setores de transporte e logística, energia elétrica, petróleo e gás natural, saneamento básico e telecomunicações estiveram no encontro, na sede da Abdib.

De acordo com Percival, a Caixa deve encerrar o primeiro trimestre do ano com crescimento de cerca de 40% da sua carteira de crédito ante o mesmo período de 2012. De janeiro a fevereiro, o saldo já avançou 43,1% (ou R$ 8,5 bilhões), para R$ 371 bilhões. “Somente em fevereiro liberamos R$ 17 bilhões, mesmo patamar de dezembro. Isso mostra que há demanda por crédito”, disse ele, acrescentando que a carteira de crédito total da Caixa deve encerrar março com 41% de expansão ante os três primeiros meses de 2012.

Sobre a revisão para baixo da estimativa da Federação Brasileira de Bancos (Febraban) para a oferta de crédito em 2013, Percival disse que a considera “conservadora” e o sistema deve crescer acima de 15% neste ano.

Moody’s

O vice-presidente de Finanças também informou que a Caixa está iniciando a seleção dos bancos que vão assessorá-la na sua segunda emissão externa. O objetivo é levantar de US$ 2 bilhões a US$ 2,5 bilhões entre maio e junho. “Estamos começando a contratar os bancos. Vamos precificar a nossa segunda emissão e não devemos ser prejudicados pelo rebaixamento da Moody’s.”

A Caixa pretende organizar um roadshow com investidores externos para explicar que a decisão da Moody’s de rebaixar o rating da Caixa não reflete uma piora da qualidade dos ativos do banco. Percival pediu aos analistas que verifiquem o balanço do banco e confirmem que a qualidade dos ativos não piorou. “A qualidade de nossos ativos continua a mesma e vai melhorar ainda mais com as regras de Basileia 3.”