No ano passado, 55% dos deslocamentos feitos em Curitiba foram feitos de ônibus. Em 1978, este índice foi de 68%. A informação é da Urbs, empresa que gerencia o sistema de transporte de Curitiba e da Região Metropolitana, que acaba de finalizar uma pesquisa sobre o assunto.

Na avaliação dos técnicos da Urbs, a redução de 19,11% na proporção de usuários do transporte coletivo, em 24 anos, está relacionada a vários fatores. “A política do governo federal de incentivar o uso do automóvel favorecendo a indústria automobilística é o primeiro aspecto a ser considerado”, disse o prefeito Cassio Taniguchi.

Outro aspecto é o crescimento dos setores de comércio e serviços nos bairros, que fez com que as pessoas precisassem se deslocar menos. O diretor de transporte da empresa, Euclides Rovani, cita também a redução do número de passageiros no horário do almoço como um dos aspectos que contribuíram para esta redução.

“Muitas pessoas que antes voltavam para casa para almoçar estão preferindo comer perto do local de trabalho”, disse o diretor, ao informar que hoje há 420 ônibus a menos circulando na hora do almoço do que em 1995.

Segundo o prefeito, deve também ser levado em conta o fato de que em 1978 a população de Curitiba era muito menor do que hoje. “Caiu o percentual de usuários, mas o número de pessoas que todos os dias usam o sistema de transporte integrado cresceu exponencialmente”, disse Cassio.

A pesquisa feita pela Urbs mostra ainda que o uso do automóvel, que respondia por 26% dos deslocamentos em 1978, foi responsável por 28% em 2002. Os táxis apresentam o mesmo índice de 3%.

Já o uso da bicicleta e da motocicleta dobrou nos últimos sete anos. A pesquisa de 1995 indicava que 3% dos deslocamentos eram feitos com o uso da bicicleta e 2% com motocicleta. O levantamento do ano passado revelou que 6% dos deslocamentos são feitos com bicicleta e 4% de moto.

Mesmo com a redução, o transporte coletivo continua sendo uma das prioridades da Prefeitura de Curitiba, que estendeu o sistema integrado para 13 cidades da Região Metropolitana.