Até o final do ano, o Brasil terá dois tipos de bulas para medicamentos. Uma destinada aos pacientes, com termos e informações mais simples e outra, disponível no site da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), voltada aos médicos e com linguagem técnica.

Para facilitar a leitura das bulas, o tamanho das letras e da distância dos parágrafos deverão ficar maiores. Essas e outras mudanças constam em uma consulta pública, disponível no site www.anvisa.gov.br até o próximo dia 24.

Para o aposentado Amilton Baroni, de 68 anos, a mudança já deveria ter acontecido. “Tenho muita dificuldade para ler e entender todos aqueles termos técnicos da bula. Temos que confiar no médico que nos receitou os medicamentos”, afirma Baroni, que toma remédios para diabetes.

De acordo com a Anvisa, a proposta é que as bulas sejam mais objetivas, evitando a repetição de informações. No caso das bulas para pacientes, os dados continuarão sendo estruturados num formato de perguntas e respostas.

Para o presidente do Conselho Regional de Medicina do Paraná, Miguel Ibraim Hanna Sobrinho, com a nova bula, a principal melhoria será na informação passada ao paciente.

“Os usuários terão, com maior facilidade, informações sobre o que acontece no organismo com o uso do remédio. Além disso, irá evitar que pessoas que tomam remédios por conta própria, o que não é indicado, se prejudiquem com doses erradas”, avalia.

O presidente ressalta a importância do farmacêutico no momento da compra dos medicamentos. “A população deve aprender a consultar o farmacêutico que pode, assim como o médico, tirar dúvidas sobre o uso e dosagem de remédios”, recomenda.

Se você tiver críticas ou sugestões, envie e-mail para consumidor@oestadodoparana.com.br.