O primeiro-ministro britânico, Gordon Brown, confirmou hoje que o governo vai vender cerca de 16 bilhões de libras em ativos nos próximos anos, em um esforço para reduzir a dívida crescente do Reino Unido sem cortar serviços públicos.

“Nós planejamos uma venda de ativos para lidar com as emissões de títulos de dívida e eu disse hoje que 16 bilhões de ativos serão vendidos dentro dos próximos dois anos”, afirmou ele, nos escritórios da Bloomberg, em Londres. Mas autoridades britânicas sugeriram que apenas cerca de 3 bilhões de libras devem ser utilizados para reduzir a dívida.

Autoridades do Tesouro britânico disseram que boa parte dos ativos são propriedades do governo central e de governos locais, reservadas para venda no período de 2011 a 2014.

Em pronunciamento a legisladores, Liam Byrne, secretário-chefe do Tesouro, afirmou que seu departamento vai elaborar nos próximos meses um portfólio de ativos a serem vendidos.

Isso inclui 11 bilhões de libras de propriedades de governos locais e 2 bilhões de libras de propriedades do governo central. O lucro dessas vendas retornará aos governos centrais e locais para serem “reinvestidos” em serviços, explicou Byrne.

Além disso, o governo deve tentar levantar cerca de 3 bilhões de libras assim que as condições do mercado permitirem, com a venda de partes do portfólio de empréstimos estudantis, da empresa estatal Tote, bem como da participação do governo na empresa de combustível nuclear Urenco e em outros ativos.

“Acreditamos que algo em torno de 3 bilhões de libras possa ser levantado com essas vendas de ativos nos próximos anos, e é claro que esse dinheiro que estará disponível para reduzir a dívida”, disse Byrne. As informações são da Dow Jones.