O economista-chefe da MB Associados, Sergio Vale, fez duras críticas ao governo da presidente Dilma Rousseff nesta segunda-feira, durante fórum promovido pela Associação Brasileira do Agronegócio (Abag) em Porto Alegre. Ele disse que, além de estar há mais de um ano em recessão, o Brasil não escapará de um resultado negativo em 2016, com chance de a retração da economia se estender a 2017. Um período de quase quatro anos de recessão, segundo ele, seria algo inédito na história da América Latina. “É necessário haver uma mudança de rumo, seja uma mudança interna no governo ou uma mudança de governo”, afirmou. “Não tem tempo para continuar postergando.”

Dentre as críticas apontadas pelo economista estão o descontrole fiscal, a dificuldade de conter a inflação e a falta de acordos comerciais. De acordo com Vale, o País vive uma paralisação por incerteza, e a economia está “afundando” num ritmo muito rápido. “É como se o País fosse uma empresa com um presidente que não funciona e uma diretoria que não sabe o que fazer porque o presidente não dá o rumo”, disse.

Ele acredita que o agronegócio sai menos afetado neste momento de crise do governo porque, ao longo do tempo, cresceu um pouco mais à margem da presença do Estado. “É um setor que foi ganhando eficiência por outros meios”, disse. “Mas, ao mesmo tempo, tem muitas questões das quais o agronegócio depende que são função do governo, como a infraestrutura, a questão logística.”

Segundo ele, o setor agrícola não deve esperar deste governo medidas estruturais que estimulem a atividade do campo, mas tampouco deve sofrer com uma possível piora do quadro atual. “Não vejo como reverter a trajetória positiva do agronegócio. É como se houvesse uma estabilidade, uma paralisia”, disse.