A venda de computadores no Brasil somou 13,7 milhões de unidades em 2010, um aumento de 23,5% em relação a 2009, de acordo com levantamento divulgado hoje (21) pela empresa de consultoria e pesquisa IDC Brasil. Esse número coloca o Brasil na quarta posição no ranking mundial, atrás apenas de Estados Unidos, China e Japão.

O estudo “Brazil Quarterly PC Tracker” apontou que 55% das vendas em 2010 foram de computadores de mesa (desktops), e os demais, de notebooks. No quarto trimestre do ano passado, as vendas alcançaram 3,6 milhões de equipamentos, sendo 52,5% de computadores e 47,5% de notebooks.

O número representou um crescimento de 15% com relação aos meses de outubro, novembro e dezembro de 2009. “O quarto trimestre de 2010 mostrou um cenário diferente do que víamos no passado, quando eram vendidos mais computadores por conta do Natal. Com a antecipação do varejo nas compras de final de ano, o terceiro trimestre de 2010 foi mais forte”, disse o gerente de pesquisas da IDC, Luciano Crippa, em comunicado.

No acumulado do ano, 65% dos computadores vendidos foram para usuários domésticos, e 35%, para o mercado corporativo, incluindo os segmentos de educação e governo. De acordo com o IDC, em 2010 a venda total de notebooks para usuários domésticos foi 30% maior do que a de desktops.

Tablets

As vendas de 2010 superaram em 3,6% a previsão inicial do instituto de pesquisas, que era de 13,2 milhões de computadores. “E, se somássemos o número de tablets comercializados no Brasil, cerca de 100 mil unidades, chegaríamos ao total de 13,8 milhões de equipamentos”, afirmou Crippa. “Definitivamente, o mercado de PCs será impactado pela venda de tablets, principalmente quando observarmos os netbooks ”

A empresa espera que em 2011 as vendas de tablets cheguem à casa das 300 mil unidades.

Demanda global

No mundo, as vendas de microcomputadores foram afetadas pelos tablets, crescendo menos que o esperado no quarto trimestre. Segundo o IDC, foram vendidos 92,1 milhões de PCs em todo o mundo entre outubro e dezembro, o que representou um crescimento de 2,7%, abaixo da previsão de 5,5%. A consultoria não considera os tablets PCs.

Os videogames e os smartphones também contribuíram para que as vendas de microcomputadores ficassem abaixo da expectativa. No ano passado, foram vendidos 17 milhões de tablets no mundo, a maioria deles iPads, da Apple. As vendas de PCs somaram 346,2 milhões.

Para este ano, a IDC prevê que serão vendidos 385 milhões de microcomputadores e 44 milhões de tablets em todo o mundo. O maior fabricante de PCs do mundo é a americana HP. Em segundo lugar está a Dell, também americana, e, em terceiro, a taiwanesa Acer.