A perspectiva de uma demanda menor por petróleo em 2015 derrubou os preços da commodity no mercado internacional nesta sexta-feira e ajudou a afundar as bolsas europeias, que acumularam fortes perdas nesta semana. Por consequência, o índice Stoxx 600 recuou 2,58% no pregão, aos 330,54 pontos.

Os contratos futuros de petróleo sofreram nova queda após a Agência Internacional de Energia (AIE) reduzir a sua projeção para o aumento na demanda global pelo produto em 230 mil barris por dia, para 900 mil barris diários. As estimativas foram divulgadas dois dias após a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) publicar seu relatório mensal, em que também reduziu suas previsões para a demanda no ano que vem.

Refletindo os novos dados, o mercado financeiro mais uma vez derrubou os preços do petróleo. O resultado desse processo foi um impacto negativo nas ações de empresas que dependem da venda da commodity, o que puxou as bolsas do continente para terreno negativo.

Os investidores também seguem preocupados com as reverberações da crise política da Grécia na Europa. No dia 17 de dezembro, o Parlamento do país realizará a primeira rodada de votação para tentar eleger o novo presidente. Eventualmente, se o Legislativo falhar em se decidir por um sucessor do atual chefe de Estado, a Grécia terá de convocar eleições diretas, em que teme-se uma vitória do Syriza, partido contrário às políticas de austeridade impostas pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) e pela União Europeia.

Por fim, dados da produção industrial na China, que vieram abaixo do esperado pelo mercado, também incentivaram investidores a cultivar um sentimento de aversão ao risco. Seguindo essas tendências, o índice FTSE, de Londres, que é composto em grande medida por petroleiras como a Shell (-2,98%) e a BP (-3,3%), caiu 2,49%, aos 6.300,63 pontos. Na semana, o índice acumulou queda de 6,56%. Em Frankfurt, o DAX caiu 2,72% nesta sexta-feira (-7,03% na semana), aos 4.108,93 pontos.

Em Paris, o índice CAC-40 recuou 2,8%, para os 4.108,93 pontos, com as ações da companhia de serviços do segmento de petróleo Technip caindo 4,5%, enquanto a petroleira Total teve perda de 3,4%. Os papéis da Danone também fecharam o dia em queda, de 2%, após a companhia anunciar que irá manter sua divisão de nutrição médica após meses de negociações com compradores em potencial.

Milão e Madri também recuaram e assistiram a seus principais índices acumularem queda em 2014. Na Itália, a variação foi de -3,13% hoje, para uma mínima diária de 18.600,83 pontos (-0,54% no ano), enquanto na Espanha a bolsa caiu 2,75% no pregão, aos 10.145 pontos, e com perdas de 6,93% na semana e de 0,12% no ano. Em Lisboa, o mercado acionário teve recuo de 1,93% hoje e de 8,28% na semana, encerrando a sexta-feira aos 4.825,55 pontos.

Na Noruega, o maior país exportador de petróleo da Europa, o recuo do petróleo à mínima dos últimos cinco anos também derrubou o mercado acionário. O índice OBX, de Oslo, caiu 1,6%, para os 496,10 pontos.