Os principais índices acionários nova-iorquinos encerraram em baixa o pregão desta terça-feira, 30, pressionadas por falas do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, sobre as negociações comerciais com a China.

O índice Dow Jones fechou em queda de 0,09%, para 27.198,02 pontos, quanto o S&P 500 recuou 0,26%, para 3.013,18 pontos e o Nasdaq, 0,24%, aos 8.273,61 pontos.

Hoje, Trump atacou a China em seu Twitter e em declarações a jornalistas, afirmando que o país asiático sempre volta atrás em acordos comerciais e que está “morrendo de vontade” de firmar um pacto com Washington. “Mas a decisão (de fechar ou não o acordo) é minha, não deles”, completou ele, que ainda declarou que, se reeleito em 2020, o acordo com a China “será muito mais difícil do que o que estamos negociando agora… Ou não haverá nenhum acordo”.

As declarações do chefe de Estado americano – que vêm no mesmo dia em que uma delegação americana está na China para negociações comerciais – geraram certa cautela nos mercados, que esperam um acordo entre as duas maiores economias do mundo. Isso pressionou ativos de risco, como os mercados acionários.

As perdas foram contidas, no entanto, pela divulgação do índice de confiança do consumidor dos EUA, que subiu de 124,3 em junho para 135,7 em julho. A leitura, a mais alta deste ano, superou a expectativas de analistas ouvidos pelo Wall Street Journal, de avanço para 124,8.

Entre as empresas negociadas em Wall Street, a Apple perdeu 0,43% nesta terça-feira, dia em que, após o fechamento do mercado, divulgou balanço.

A Capital One, quinta maior emissora de cartões de crédito dos EUA, divulgou hoje que informações de cerca de 106 milhões de clientes vazaram, em uma das maiores violações de dados de um grande banco. Com isso, os papéis da companhia recuaram 5,89%.

O setor de energia, no entanto, não seguiu a tendência de queda e se fortaleceu em 1,09% nesta terça, com a petroleira Chesapeake Energy subindo 9,76%, recuperando-se de perdas recentes e após um dia de petróleo em alta.

Já a Stone, do setor de maquininhas, teve ganhos e se fortaleceu em 3,62% no índice Nasdaq, após o fechamento de uma joint venture com o Grupo Globo com foco em profissionais autônomos e microempreendedores. A Stone terá 67% do negócio, contribuindo com capacidade de processamento e tecnologia de meios de pagamento, suporte operacional, gestão e R$ 50 milhões em dinheiro, enquanto o Grupo Globo terá 33% e investirá o equivalente a um valor de mercado de R$ 461 milhões em mídia.

Investidores seguem monitorando a decisão de política monetária do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), que será divulgada amanhã. A expectativa majoritária é de um corte de juro na ordem de 25 pontos-base.