O Ibovespa recuperou nesta terça-feira, 17, as perdas do dia anterior, quando havia dado lugar a uma realização de lucros nos minutos finais da sessão, um tombo de 0,59% que colocou o índice na mínima daquele pregão. Hoje, na ausência de catalisadores de peso, o Ibovespa teve uma recuperação técnica, com avanço nas ações de bancos, setor punido no fim do dia anterior, e realização nas do segmento de varejo, que vinham em destaque especialmente desde a última Black Friday, com ganhos significativos acumulados ao longo do ano.

Assim, o índice de referência da B3 fechou hoje em alta de 0,64%, a 112.615,66 pontos, nova máxima histórica de fechamento, após ter tocado e superado ontem pela primeira vez a marca de 113 mil no intradia, acumulando agora ganho de 4,05% no mês e de 28,14% em 2019. Na máxima de hoje, o índice foi a 112.695,34 pontos e, na mínima, a 111.896,54 pontos.

O volume de hoje, de R$ 19,8 bilhões, ficou abaixo do dia anterior, quando havia sido impulsionado pelo vencimento de opções sobre ações – amanhã será a vez do vencimento de opções sobre o Ibovespa. Com o fechamento de hoje, o Ibovespa supera a máxima histórica de encerramento da última sexta-feira, 13, quando fechou aos 112.564,86 pontos.

“Em um dia fraco de notícias, com liquidez já caindo em direção ao fim do ano, é natural que haja alguma rotação, com realização em alguns papéis e transferência para outros, mais retardatários”, diz Pedro Galdi, analista da Mirae. “O ano está praticamente feito e, com a redução da liquidez que deve prevalecer a partir da próxima semana, a tendência é de certa acomodação, sem espaço para assumir risco na ausência de grandes catalisadores”, diz Glauco Legat, analista-chefe da Necton.

Nesta terça-feira, após terem aprofundado perdas no fim da sessão anterior em meio a relatos no governo sobre a possibilidade de ressuscitar a CPMF, as ações do setor financeiro estiveram entre as vencedoras, com destaque para Cielo, em alta de 5,52% no fechamento, após tombo de 5,13% ontem. A ação preferencial do Itaú Unibanco fechou hoje em alta de 1,52% e a do Bradesco, de 1,84%, ambas limitando os ganhos observados mais cedo na sessão.

Após dois dias de perdas desde que o BNDES anunciou a intenção de vender ações ordinárias da empresa, Petrobras PN e ON fecharam hoje em alta, respectivamente, de 1,50% e 1,38%. Entre as de pior desempenho, a ação da BRF fechou nesta terça-feira em baixa de 3,20%. Entre as de varejo, a ação da Via Varejo cedeu hoje 2,31%, Magazine Luiza perdeu 2,88% e Lojas Americanas, 2,38%.