As ações negociadas em Tóquio fecharam em queda nesta terça-feira, pela quinta vez em seis dias, em meio a uma combinação de quatro fatores: enfraquecimento do dólar ante o iene, recuo no índice de gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) industrial da China, preocupações com a economia da Rússia e novas quedas nos preços do petróleo.

Em meio a tudo isso, o índice Nikkei encerrou o dia com baixa de 2,01%, para 16.755,32 pontos, o nível mais baixo desde 31 de outubro, logo após ter caído 1,57% na sessão de segunda-feira.

O recuo teve início com a percepção do investidores de que os preços do petróleo continuam em queda e isso tende a ser, agora, a maior preocupação para os russos, que são, essencialmente, exportadores da commodity, avaliou Yoshihiro Okumura, gerente de negócios do fundo de investimentos Chibagin. “Há um receio crescente de que a Rússia pode dar calote, o que faz o mercado se lembrar do pânico fiscal da Grécia e exigir uma recuperação imediata”, disse.

Na segunda-feira, a Rússia surpreendeu o mercado ao elevar sua taxa básica de juros de 10,5% para 17% ao ano, em uma tentativa de conter o avanço da inflação, cuja previsão para 2014 gira em torno de 10%. O país ainda passa por sanções econômicas do Ocidente e depreciação do rublo, o que piora as perspectivas para a economia russa em 2015.

No começo da sessão, o banco HSBC publicou sua leitura preliminar para o índice de gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) industrial da China em dezembro, que caiu para 49,5, seu menor nível em sete meses, de 50,0 em novembro. “O resultado do PMI chinês não foi uma surpresa, mas ele chegou a mexer negativamente com o mercado porque não houve nada positivo para as negociações”, disse o diretor de negociações de uma corretora europeia.

Além disso, o dólar permanece em ritmo de enfraquecimento em relação ao iene. Pouco depois do fechamento de Tóquio, a moeda norte-americana caía para 117,25 ienes, de 117,80 ienes no fim da tarde de segunda-feira. A valorização do iene é prejudicial para as exportadoras japonesas, que registram suas receitas em dólar.

Entre as exportadoras, as quedas foram lideradas pela TDK, que registrou perda de 2,1%, a Canon, com recuo de 2,2%, e a Suzuki, com baixa de 3,3%. Os bancos também foram afetados, principalmente em razão da exposição à situação econômica e financeira da Rússia. A Sumitomo Mitsui Financial perdeu 2,6% e Mitsubishi UFJ Financial Group caiu 2,5%. Com informações da Dow Jones Newswires.