O estágio de desenvolvimento do sistema financeiro brasileiro e do mercado de capitais ?tende a se alterar substantivamente no futuro próximo?, de acordo com o presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Luciano Coutinho.

No artigo ?Ciclo de Investimentos e o Mercado de Capitais Brasileiro: A Transição para o Longo Prazo?, obtido com exclusividade pela reportagem do jornal O Estado de S. Paulo, Coutinho prevê uma taxa de juro real (descontada a inflação) entre 4,5% e 5,5% ao ano nos próximos anos.

Ele projeta ainda que as despesas com pagamento de juros sobre a dívida pública cairão de 6,9% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2006 para 5% do PIB neste ano e daí para entre 3,5% e 4% do PIB por ano em 2008 e 2009. Mantida a meta de economia do setor público, conhecida como superávit primário, de 3,3% do PIB, o déficit público brasileiro tende a se aproximar de zero nos anos seguintes.

Além disso, ele considera que o Brasil está perto de obter a classificação de grau de investimento, na qual a probabilidade de um devedor dar calote é menor. Na avaliação de Coutinho, esse reconhecimento ?não poderia vir em melhor momento? para o desenvolvimento do mercado de capitais nacional.